Ciência

Pela 1ª vez NASA capta imagens de ondas sonoras em choque com aeronaves supersônicas

por: Redação Hypeness

Publicidade Anuncie

Para estudos de desenvolvimento de um jato capaz de voar acima da velocidade do som sem provocar o reconhecível “estrondo sônico”, a NASA conseguiu registrar em fotografias aviões desafiando e rompendo as ondas sonoras. As imagens revelam impressionantes e coloridos detalhes sobre como essas ondas se movem e interagem, utilizando tecnologia fotográfica de ponta para conseguir registrar o que os olhos não veem mas o ouvido escuta de forma inédita.

A tecnologia é nova mas baseada em uma técnica fotográfica do século XIX, conhecida como Schlieren, capaz de visualizar o ar, calor e o som. As fotos foram tiradas em 1400 frames por segundo, permitindo os resultados precisos e incrivelmente nítidos. De acordo com a NASA, as imagens mostram “mudanças de pressão velozes produzidas quando uma aeronave voa mais rápida que o som, ou de forma supersônica. Os choques com as ondas são produzidos pela aeronave, e são responsáveis pelo que no solo é compreendido como ‘estrondo sônico’”.

Publicidade

As imagens originais eram em tons de cinza, mas foram coloridas por técnicos da NASA para detalhar melhor as mudanças de pressão. O experimento é parte dos esforços da agência espacial americana para desenvolver o X-59 Quiet SuperSonic Technology X-plane, um avião supersônico que, no lugar do ‘estrondo sônico’, viaje de forma silenciosa.

A imagem original, ainda sem cor

Os primeiros testes sobre o modelo foram completados com sucesso no final de 2017, como mostra o vídeo abaixo, e agora os novos estudos apontam para um futuro próximo onde os voos supersônicos serão também silenciosos.

Publicidade Anuncie

© fotos: NASA


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Mais balbúrdia: UFRJ descobre vírus mayaro, ‘primo’ do chicungunha