Debate

Responsável por ataque na Nova Zelândia que matou 49 transmitiu tudo ao vivo

por: Redação Hypeness

Ao menos 49 pessoas foram mortas e outras 48 ficaram feridas em um ataque realizado na nesta sexta-feira (15) em duas mesquitas na Nova Zelândia. O “dia mais sangrento da história”, segundo a primeira-ministra Jacinda Ardem, aconteceu na ilha de Christchurch.  

O massacre foi transmitido ao vivo pelo personal trainer australiano Brenton Tarrant, autor dos disparos. Ele se descreveu como um “etnonacionalista e fascista” em um manifesto de mais de 70 páginas publicado em uma rede social. Ele foi preso ao lado de outras quatro pessoas. 

O assassino dizia ser “um homem branco comum, de uma família comum”. Brenton deu sinais de nacionalismo e xenofobia. “As origens da minha língua são europeias, minha cultura, minhas crenças filosóficas, minha identidade é europeia e, mais importante, meu sangue é europeu”.

Supremacista branco, racista e admirador de Donald Trump

O supremacista branco segue com um tom anti-imigratório difundido por figuras como Donald Trump e líderes da extrema-direita. “Mostrar aos invasores que nossas terras nunca serão as terras deles, enquanto um homem branco viver, e que ele nunca irão substituir nosso povo”.

Falando em Trump, Brenton Tarrant era um admirador das ideias xenófobas e preconceituosas do presidente dos Estados Unidos. “Trump é um símbolo da renovação da identidade branca”, escreveu no manifesto.  

O assassino considera Trump ‘símbolo da renovação branca’

A ação criminosa cometida por Brenton Tarrant acertou em cheio a comunidade muçulmana, que representa pouco mais de um 1% das 4,7 milhões de pessoas que vivem na Nova Zelândia. Muitos deles são refugiados e imigrantes de países diversos. A primeira-ministra foi enfática ao defender a diversidade em pronunciamento na TV.

– Bullying, abandono e saúde mental: os verdadeiros responsáveis pela tragédia de Suzano

– Criaram um Museu com as grandes pérolas de Donald Trump no Twitter. E ficou hilário

– Para Donald Trump imigrantes ilegais ‘não são pessoas’ e sim ‘animais’

“Os muçulmanos somos nós. A pessoa que cometeu este ato de violência contra nós não. Eles escolheram fazer da Nova Zelândia sua casa e esta é a casa deles”.

De acordo com testemunhas, um homem branco e loiro vestido com trajes militares invadiu a mesquita Al Noor. O ataque aconteceu por volta das 13h40 de sexta (21h40 de quinta no horário de Brasília), horário de bastante movimento no centro religioso.

O massacre foi transmitido ao vivo no Facebook

Tarrant revela que escolheu a mesquita como alvo há três meses. “Eu só vim para a Nova Zelândia para viver temporariamente enquanto eu planejava e treinava, mas logo vi que o país era um alvo”.

A situação deixou as pessoas em choque. Violência não faz parte da rotina dos neozelandeses, que registram menos de 50 homicídios por ano.

Publicidade

Fotos: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Capa apenas com empreendedores brancos mostra que jornalismo não encara o racismo