Fotografia

Sobreviventes de acidentes posam para conscientizar sobre direção segura

por: Gabriela Glette

Publicidade Anuncie

Em 2017, a obrigatoriedade do uso de cinto de segurança no Brasil completou 20 anos. Quem viveu nos anos 1990 sabe que, naquela época os carros eram muito menos seguros que os de hoje e, as pessoas não estavam nem um pouco preocupadas em garantir sua proteção. Entretanto, se o número de acidentes já diminuiu consideravelmente, ainda existem aqueles que não levam a segurança no trânsito tão a sério, por isso a importância de uma campanha como esta.

sobreviventes acidentes 1

Já que uma imagem vale mais do que mil palavras, a NZ Transport Agency (NZTA) – a Agência de Transporte da Nova Zelândia, criou uma campanha forte e decisiva, com o objetivo de reduzir o número de mortes nas estradas do país. Segundo eles, 90 pessoas morrem a cada ano porque não estavam usando o cinto de segurança e a maioria delas são homens jovens em áreas rurais.

sobreviventes acidentes 2

Para tornar a ação mais incisiva, eles utilizaram 10 sobreviventes de acidentes reais e recriaram seus ferimentos com a ajuda da empresa de maquiagem SFX PROFX. Usar o cinto de segurança já deveria fazer parte do cotidiano de, absolutamente todas as pessoas do mundo, mas infelizmente ainda não faz. Vamos mudar esta realidade?

sobreviventes acidentes 3

sobreviventes acidentes 4

sobreviventes acidentes 5

sobreviventes acidentes 6

sobreviventes acidentes 7

sobreviventes acidentes 8

sobreviventes acidentes 9

sobreviventes acidentes 10

Publicidade Anuncie

Fotos: (NZTA)


Gabriela Glette
Uma jornalista que ama poesia e mora na França, onde faz mestrado em comunicação. Apaixonada por viagens e inquieta por natureza, ela encontrou no nomadismo digital o segredo de sua felicidade, e transforma a saudade que sente da família e amigos em combustível para escrever suas histórias.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
As últimas fotos da lendária ‘rainha elefanta’ antes de sua morte