Inspiração

Vítimas ganham mural em escola onde foram assassinadas em Suzano

por: Gabriela Glette

Publicidade Anuncie

No último dia 13, o Brasil todo chorou junto aos familiares e sobreviventes do massacre de Suzano, na Escola Estadual Raul Brasil. Com o objetivo de homenagear as vítimas, entre funcionários e alunos que perderam suas vidas, o artista plástico Francisco Kleison ofereceu gratuitamente um mural no muro da escola. Ele, que trabalha com pinturas especiais no Guarujá – litoral de São Paulo, passou um dia inteiro transformando o muro, antes cheio de frases pichadas, agora com com 7 ilustrações, representando cada uma das vítimas.

mural grafite suzano 4

Uma maneira de eternizar os mortos no massacre, sua arte jamais vai mudar o que aconteceu, mas pode nos fazer lembra que ainda existe beleza no mundo. “A gente se sensibiliza com a dor de todos e quis ajudar da maneira que podia. Por isso, procurei a diretoria da escola semana passada, eles gostaram da ideia e disseram que iam pedir a autorização da Secretaria Estadual da Educação. Eles aprovaram e vim com um funcionário fazer a pintura”, disse Francisco em entrevista ao G1.

mural grafite suzano 1

Todas as vítimas foram retratadas em preto e branco, porém o fundo colorido é para que as pessoas relembrem que ainda há esperança. Asas de anjo finalizam o mural de grafite, que é um lembrete eterno de que a solidariedade nos leva mais longe do que o ódio.

mural grafite suzano 3

Publicidade

Foto 1: Francisco Kleison/Arquivo Pessoal

Fotos 2, 3 e 4: Maiara Barbosa/G1


Gabriela Glette
Uma jornalista que ama poesia e mora na França, onde faz mestrado em comunicação. Apaixonada por viagens e inquieta por natureza, ela encontrou no nomadismo digital o segredo de sua felicidade, e transforma a saudade que sente da família e amigos em combustível para escrever suas histórias.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
A triste história da cabine telefônica que liga nada a lugar nenhum