Arte

Você não consegue fazer alguém feliz | Do Amor #102

por: Jader Pires

Tá lá nos votos, na hora em que achamos ser tudo perfeito. Falamos no momento de pedir alguém em namoro, afirmamos na cabeça quando fazemos alguém gozar. É o poder em nossas mãos, nas nossas partes. O destino de outro ser, diretamente ligado às nossas imediatas ações.

Uma balela sem tamanho.

Não se pode fazer alguém feliz. É algo intrinsecamente ligado ao mundo interno dela, despertado única e exclusivamente pela pessoa em que a felicidade vai brotar, em que a alegria vai tomar conta de si. Então, como poderia, eu, tentar o inexequível?

“Nossa, Jader, então não adianta nada querer agradar quem eu gosto?”.

O contrário, jovem pessoa. Nos faz muito bem proporcionar coisas boas para outras pessoas. A situação se complica é quando buscamos uma conjuntura que não vai existir, frustrando nossas próprias expectativas e atrapalhando o florescimento de quem está do nosso lado. Eu vou explicar isso melhor.

O amor é legal para um caralho! Estar apaixonado por alguém, se importar, colocar o outro como fator para as nossas escolhas = mas não como fim – ter com quem dividir, nos deixar invadir por todas aquelas sensações esquisitas só de perceber a presença da outra pessoa, os suores, as bocas secas, as pernas molengas, as nossas certezas embaralhadas, o arfar que nem cachorrinho. É bom demais, assim como o autoengano no sexo de que temos as melhores performances do mundo inteirinho, que nenhum pau é tão bom quanto o nosso, que nenhum abrir de pernas é tão impressionante quanto o que a gente dá. A gente se deixa afetar pelas coisas do amor e a gente é feliz quando deixa essa enxurrada entrar. E está justamente aqui o ponto. Se permitir para a felicidade e para a alegria.

Nossos esforços vão até a metade do caminho. Dali em diante, é responsabilidade só da pessoa que está para receber os elogios, estímulos, galanteios, apertões e cafunés. E é parte da nossa ajuda saber desse processo, para não forçar, não empurrar tudo para baixo em vez de para frente. Percebe a diferença?

Você não provoca felicidade em alguém. A gente não tem esse poder. O que podemos fazer é facilitar. Proporcionar espaços para que brote! Felicidade genuína. A alegria!

Amar é bem legal. A gente joga as coisas para o alto e espera a pessoa se deixar afetar por esses anseios. Que pegue o que lhe fizer melhor, e não o que achamos melhor. Ter alguém para amar é caminhar junto, abrir espaço para que cada um, individualmente, possa chegar mais à frente. É catapultar o outro, contar que o outro é importante para o que você está fazendo naquele recorte da vida. É querer ver o outro deslanchar. Então a gente abre espaço e coloca a pessoa em ambientes e situações que facilitem o contato dela com a própria felicidade, com o entendimento individual do próprio contentamento.

Não tente fazer alguém feliz. Só crie ambientes propícios para que ela encontre os próprios caminhos. Vai ser bem gostoso.

O amor é tentativa.

Que coluna é essa? Conheçam a Do Amor.

Oi gente! Jader falando aqui. =)

Para quem ainda não me conhece, sou escritor. Tenho três livros publicados (o Ela Prefere as Uvas Verdes, o Do Amor e o Deserto Negro) e estou já publicando histórias, crônicas e contos de ficção na Internet tem doze anos. Primeiro em um blog (vocês se lembram deles?), depois no portal PapodeHomem, de florescimento humano que mostra uma masculinidade mais positiva e diversa. Lá, fui colaborador, editor do site por seis anos e depois colunista, justamente com essa coluna Do Amor, com mais de 2.4 milhões de acessos, colocando um pouco do amor romântico em xeque, deixando ele meio sujo e na sarjeta para aprendermos a lidar melhor com as relações amorosas.

Disso, surgiu o livro Do Amor, viabilizado com financiamento coletivo em 2017, ultrapassando a meta inicial e chegando aos 111%, arrecadando mais de 20 mil reais e alcançando mais de 300 apoiadores.

Agora a coluna está de casa nova, aqui no Hypeness, e será publicada quinzenalmente, sempre às sextas-feiras. Então, sexta sim, sexta não, estarei aqui com uma nova história de amores tortos e deliciosos. E tô bem feliz de estar aqui, agora. Obrigado, Hypeness! Cheguem mais pertinho que tem coisa boa pra acontecer. Aqui na assinatura tem os links das minhas redes sociais. Só se aproximar.

Um beijo!

Publicidade

Reprodução / Tumblr


Jader Pires
Jader Pires é escritor. Largou a publicidade, a experiência de sete anos em um banco e foi escrever. Começou a ler livros depois dos vinte e teve que correr atrás do tempo perdido. Já lançou três livros: o Ela Prefere as Uvas Verdes e o Do Amor, de contos, e agora, lança o seu primeiro romance, Deserto Negro, já disponível para compra. Siga-o no Instagram! @jaderpires.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Shell Open Air traz cinema a céu aberto e telão gigante para o Jockey Club de São Paulo