Debate

18 milhões de litros de sangue é o que o Brasil desperdiça por preconceito

por: Tarsila Döhler

Publicidade Anuncie

De acordo com a ONU, para alcançar índices ideais de doação de sangue, é necessário que 3 a 5% da população de um país seja doadora. Porém, apenas 1,6% dos brasileiros doa sangue, segundo dados do Ministério da Saúde. Esse número poderia ser maior, se não fosse por um detalhe: no Brasil, homens homossexuais só podem fazer doação sanguínea após um ano sem manter relações sexuais com outro homem.

País perde doadores ao criar restrições por sexualidade

Embora cerca de 10% da população brasileira seja LGBT, os 12 meses de abstinência sexual são parte do conjunto de regras sanitárias que visam proteger o receptor da transfusão de possíveis infecções.

A situação já foi ainda mais grave: até 2004, homens que fazem sexo com homens (HSH) eram proibidos de doar sangue. A Portaria nº 2712, de 12 de novembro de 2013, seguindo a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) sobre a restrição de HSH, estabelece que todas as amostras de sangue sejam analisadas e que os doadores sejam de baixo risco.

O Ministério da Saúde e a Anvisa reforçam que orientação sexual não deve ser usada como critério para selecionar doadores e que as regras não são discriminatórias. Enquanto isso, a restrição se mantém. A justificativa é de que homens que admitem transar com homens são “temporariamente inaptos”, uma vez que têm mais chances de serem portadores de uma doença infecciosa e de seus exames apresentarem resultados negativos, ainda que carreguem algum vírus.

A desconfiança dos resultados se dá por causa da janela imunológica no caso de infecção pelo vírus da aids. Entre o momento da infecção e a produção de marcadores detectáveis pelos testes de laboratório pode haver um intervalo de 14 a 30 dias. Como precaução, é recomendado aos os hemocentros que façam triagens, entrevistas e analisem as amostras de sangue de todos os doadores.

Tecnicamente, o critério de seleção deve recusar a prática sexual de risco e não a orientação sexual ou identidade de gênero. A contradição é aparente: a recusa do sangue doado por homens gays vai contra a noção de que as regras não excluem doadores de acordo com sua sexualidade.

Como protesto à situação, a All Out, um movimento global de defesa dos direitos LGBT, colocou em prática uma ação criada pela agência Africa em parceria com a Truckvan. Um caminhão circula por São Paulo com centenas de bolsas de sangue cenográfico que representam os 50 mil litros que os hemocentros do país deixam de receber diariamente e estampa a mensagem “O Brasil desperdiça mais de um caminhão cheio de sangue todo dia por puro preconceito”.

Iniciativa critica as restrições impostas a homens gays que querem doar sangue

Países como Argentina, Chile e México já se atualizaram quanto aos seus procedimentos e aplicam as mesmas regras a doadores de qualquer orientação sexual. O maior país da América Latina, porém, não demonstra indícios de mudança.

Publicidade

Imagens: Reprodução


Tarsila Döhler
Jornalista, pisciana, apaixonada por brechó, cerveja gelada e livros. Natural do interior, com sonho na cidade grande. Divide a vida entre textos, diagramação, bordados e os 360 dias de espera pelo carnaval.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Tatá Werneck dá apavoro em humorista que faz piada com sua barriga: ‘estou gerando uma vida!’