Empreendedorismo

Ben & Jerry’s faz campanha para legalização nacional da maconha nos EUA

por: Vitor Paiva

A marca de sorvetes Ben & Jerry’s procura ir muito além do excelente sabor em sua relação com os clientes: não é de hoje que a empresa de Vermont, nos EUA, se posiciona de forma contundente e progressista em temas espinhosos como o racismo, machismo e legalização da maconha.

Aproveitando a semana do 4/20 (dia 20 de abril, data que, nos EUA, se escreve de forma semelhante ao famigerado 4:20) a empresa juntou racismo, violência e combate às drogas em um só tweet, anunciar uma vasta campanha pela legalização nacional da maconha nos EUA.

Os dois sócios que batizam a empresa

“É duro celebrar a semana do 4/20 enquanto tantas pessoas negras ou latinas ainda estão sendo presas por maconha”, diz o tweet. “Temos que fazer melhor que isso” – e campanha segue no site da Ben & Jerry’s. Por lá, a empresa lembra que é possível celebrar a maconha e a semana especial mesmo em estados em que a erva ainda não foi legalizada – contanto que você seja uma pessoa branca. E segue: mesmo em estados em que a erva já foi legalizada, como o Alasca, a desigualdade segue evidente: negros são presos 10 vezes mais do que os brancos.

A campanha pela legalização em sua urgência racial e prisional pede por reformas de leis diversas, e pode ser assinada no próprio site da Ben & Jerry’s. A sugestão é que condenações anteriores por maconha sejam revogadas no congresso em nível nacional, e que um extenso processo de anistia e perdão aos condenados seja iniciado.

As assinaturas já chegam às dezenas de milhares, e a ideia é que se torne uma campanha nacional.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Negócio familiar supera ‘moda’ dos cupcakes e se solidifica como confeitaria de sucesso