Empreendedorismo

Energético é banido na Zâmbia após relatos de ereção prolongada

por: Gabriela Glette

Combustível para algumas pessoas, os energéticos costumam causar alguns efeitos no corpo humano, como acelerar os batimentos cardíacos e dilatar os brônquios. Porém, o Natural Power SX Energy Drink – que estava sendo vendido na Zâmbia, precisou ser retirado das prateleiras, por causar um efeito inesperado: ereções prolongadas.

energético zâmbia 1

A identidade visual é bastante bizarra e mostra um homem flexionando seus músculos, além de estar escrito no rótulo que ele é capaz de aumentar a libido, sendo considerado praticamente um afrodisíaco. Porém, a suspeita de que haveria algo a mais começou em janeiro deste ano, quando uma série de posts nas redes sociais sugeriram que ele havia sido misturado com Viagra, enquanto consumidores reclamavam das ereções prolongadas.

energético zâmbia 2

Depois de uma análise científica criteriosa, foi confirmado que ele realmente possuía altas doses do componente químico do Viagra. Embora a bebida seja produzida na Zâmbia, ela também é exportada para outros países, como Uganda, Malauí e Zimbábue.

energético zâmbia 3

Nenhum medicamento deve ser tomado sem prescrição médica e no caso, uma garrafa de 250 ml continha 70 mg da droga, sendo que o recomendado é que os homens tomem apenas 50 mg de Viagra até que saibam sua tolerância. Não esqueçamos também das mulheres e crianças que podem ter tomado a bebida, que foi considerada adulterada e um risco à saúde pública.

Publicidade

Fotos 1 e 2: divulgação

Foto 3: Unsplash


Gabriela Glette
Uma jornalista que ama poesia e mora na França, onde faz mestrado em comunicação. Apaixonada por viagens e inquieta por natureza, ela encontrou no nomadismo digital o segredo de sua felicidade, e transforma a saudade que sente da família e amigos em combustível para escrever suas histórias.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Jay-Z vai investir na maconha. E quer empregar quem foi preso na guerra às drogas