Inovação

Gmail cria função para agendar e-mails. E ainda vai sugerir frases inteiras para você

por: Vitor Paiva

O Google anunciou uma novidade simples porém bastante eficaz e transformadora para quem utiliza bastante seu e-mail, especialmente em âmbito profissional, e costuma lembrar de compromissos ou respostas pendentes em horários inapropriados: a possibilidade de agendar o envio de um e-mail.

Assim, ao invés de deixar um e-mail na caixa de rascunhos simplesmente, o usuário passa a poder programar o envio para a hora e uma data que lhe for mais conveniente.

Trata-se de um recurso aparentemente óbvio mas que não era oferecido pelo Gmail até então. Segundo consta, a programação é bastante ampla – podendo ser agendado para 2 minutos ou 50 anos depois, a partir da data da conclusão da escrita.

Antes do anuncio, era preciso utilizar aplicativos e serviços terceiros ao Google para realizar tal tarefa e poder mandar seus e-mails em uma data e momento previamente estabelecidos.

A outra novidade anunciada pelo Google para o Gmail será o recurso “smart compose”, que oferece opções para conclusões de frases durante a escrita. O propósito é facilitar e otimizar a feitura dos e-mails, especialmente para quem redige diariamente muitas mensagens profissionais. A ferramenta estará disponível em inglês, francês, italiano e português, e se valerá de inteligência artificial para “aprender” os temas e a linguagem de cada usuário. As novidades surgem como parte da celebração pelos 15 anos do gmail, e prometem melhorar a experiência dos mais de 1 bilhão de usuários do serviço.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
THC, visto como ‘coisa de maconheiro’, reduz dores provocadas por fibromialgia, diz estudo