Debate

Grafite em homenagem a mortos em Suzano é apagado após reclamações de sobreviventes

por: Redação Hypeness

O grafite que homenageava os sete mortos no massacre da Escola Estadual Raul Brasil foi apagado. A ilustração realizada gratuitamente pelo artista plástico Francisco Kleison amanheceu coberta com tinta azul a pedido dos próprios alunos.

– Vítimas ganham mural em escola onde foram assassinadas em Suzano

Ainda impactados com o ocorrido, os estudantes que aos poucos retornam suas atividades, não lidaram bem o retrato do rosto das sete pessoas – alunos e funcionários da instituição de ensino assassinados. A Secretaria Estadual de Educação autorizou então cobertura com uma camada de tinta azul, a mesma usada dentro da escola.

A Secretaria de Educação afirma que outro desenho será feito no local

Ainda de acordo com a Secretaria de Estado de Educação, já estava programado que o mural ficaria exposto por alguns dias. Segundo o órgão, Francisco vai realizar uma nova intervenção na parede.

– O massacre de Suzano não pode ser colocado na conta dos videogames

– Saúde mental x democratização do ensino: como a diversidade pode brecar casos de suicídio

“A gente se sensibiliza com a dor de todos e quis ajudar da maneira que podia. Por isso, procurei a diretoria da escola semana passada, eles gostaram da ideia e disseram que iam pedir a autorização da Secretaria Estadual da Educação. Eles aprovaram e vim com um funcionário fazer a pintura”, declarou ao G1 Francisco Kleison após a inauguração do mural na segunda 25.

Ao BuzzFeed News, a coordenadora do Laboratório de Luto da PUC-SP (LeLu), a psicóloga Maria Helena Pereira Franco, explicou que homenagens como esta devem ser feitas em comum acordo com a comunidade atingida por um evento de tamanha magnitude.

Especialistas dizem que homenagens como esta exigem diálogo

“Quem fez a homenagem fez de boa intenção, mas o efeito a gente não sabe. As homenagens e cerimônias têm de ser muito conversadas com as pessoas para avaliar o significado que elas têm para cada um”, encerrou.

Dois jovens de 17 e 25 anos mataram sete pessoas na Escola Estadual Raul Brasil, no dia 13 de março e depois se suicidaram. Um deles atirou e assassinou o próprio tio, em uma loja de automóveis.

Publicidade

Fotos: foto 1: Dinorá Taboada Feitosa/Arquivo Pessoal/foto 2: Foto: Francisco Kleison/Arquivo Pessoal


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
‘Solte o cabelo, prenda o preconceito’: escola do RS lança campanha contra preconceito racial