Debate

MEC bloqueia 30% de orçamento de universidades. E vai perseguir quem faz ‘balbúrdia’

por: Redação Hypeness

Novos bloqueios de verbas para universidades federais foram identificados por entidades que monitoram o investimento no ensino superior. Isso, depois que Abraham Weintraub assumiu o Ministério da Educação, no início deste mês. Cerca de R$ 230 milhões foram contingenciados.

O corte no orçamento foi sentido por várias unidades no país, mas recaiu mais sobre três universidades específicas: a Federal da Bahia, a de Brasília e a Federal Fluminense. O valor bloqueado nas três entidades corresponde a mais da metade do contingenciamento imposto a todas as instituições. O MEC, respondendo a questionamentos, informou que UFBA, UnB e UFF tiveram 30% do crédito orçamentário bloqueado.

 

Em nota, o Ministério explicou que “estuda os bloqueios de forma que nenhum programa seja prejudicado e que os recursos sejam utilizados da forma mais eficaz. O Programa de Assistência Estudantil não sofreu impacto em seu orçamento.

Ao Estadão, o ministro da pasta afirmou que o critério utilizado foi  “balbúrdia”. Questionado sobre o que entra nessa classificação, Weintraub disse: “Sem-terra dentro do campus, gente pelada dentro do campus. A universidade deve estar com sobra de dinheiro para fazer bagunça e evento ridículo”.

O ministro afirmou também que esses não foram os únicos critérios observados, mas não apontou dados que justificassem a punição das três universidades.

No ano passado, aconteceu um rumoroso “ato contra o fascismo” na UFF, na reta final das eleições presidenciais. Já a UnB, foi palco recentemente de debates com Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos (PSOL).

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
‘Humor de alguém tirando sarro do outro não faz muito sentido para mim’, diz Monica Iozzi