Diversidade

Mostra de curtas exibe apenas filmes feitos por mulheres

por: Mari Dutra

Não tem como negar que a mulherada faz cinema como ninguém. Inclusive, uma das primeiras diretoras do mundo tinha dois cromossomos X. A Casa Vulva, em parceria com o Guia Maria Firmina, horna essa tradição e faz um tributo às mulheres por trás das câmeras, exibindo produções 100% femininas durante a 1ª Mostra LEE de cinema.

O evento custa só R$ 5 e tem pipoca à vontade para curtir 13 curtas metragens dirigidos por elas no próximo domingo, dia 28 de abril, às 16h. As produções abordam temas como corpo feminino, a história de São Paulo, mulheres no funk e a “geração tombamento”.

Reprodução/Beat é Protesto - O funk pela ótica feminina, de Mayara Efe

Reprodução/Beat é Protesto – O funk pela ótica feminina, de Mayara Efe

A Casa Vulva (Rua Coriolano, 345 – São Paulo) é o espaço de arte feminina que recebe a mostra, enquanto o Guia Maria Firmina entrou com a curadoria da programação, que contou com mais de 40 curtas inscritos, dos quais somente 13 foram selecionados.

Reprodução/Crisálida, de Paola Santos

Reprodução/Crisálida, de Paola Santos

Confere só todos os filmes que serão apresentados durante a Mostra LEE e já confirma presença aqui:

  • Beat é Protesto – O funk pela ótica feminina, de Mayara Efe
  • Crisálida, de Paola Santos
  • Capitais, de Kamilla Medeiros e Arthur Gadelha
  • Do tempo que só minha mente se movimentava, de Amanda Pinho
  • Entretantos, de Sue Durden
  • EntreVilas, dirigido coletivamente por 10 pessoas
  • Lacry: Histórias da Geração Tombamento, de Mayara Nunes
  • MARROCOS, de Andrea Nero e Iajima Silena
  • MATCH, de Raquel Freire
  • nem sólido, nem líquido, de Nanda Carneiro
  • O que vem depois do adeus, de Patrícia Sá
  • Que som tem a distância?, de Marcela Schild
  • UM CORPO FEMININO, de Thais Fernandes

 

Reprodução/Capitais, de Kamilla Medeiros e Arthur Gadelha

Reprodução/Capitais, de Kamilla Medeiros e Arthur Gadelha

Reprodução/UM CORPO FEMININO, de Thais Fernandes

Reprodução/UM CORPO FEMININO, de Thais Fernandes

Que som tem a distância?, de Marcela Schild

Reprodução/Que som tem a distância?, de Marcela Schild

Reprodução/O que vem depois do adeus, de Patrícia Sá

Reprodução/O que vem depois do adeus, de Patrícia Sá

Reprodução/nem sólido, nem líquido, de Nanda Carneiro

Reprodução/nem sólido, nem líquido, de Nanda Carneiro

Reprodução/MATCH, de Raquel Freire

Reprodução/MATCH, de Raquel Freire

Reprodução/Lacry: Histórias da Geração Tombamento, de Mayara Nunes

Reprodução/Lacry: Histórias da Geração Tombamento, de Mayara Nunes

Reprodução/EntreVilas, dirigido coletivamente por 10 pessoas

Reprodução/EntreVilas, dirigido coletivamente por 10 pessoas

Reprodução/Entretantos, de Sue Durden

Reprodução/Entretantos, de Sue Durden

Reprodução/Do tempo que só minha mente se movimentava, de Amanda Pinho

Reprodução/Do tempo que só minha mente se movimentava, de Amanda Pinho

Leia também: 10 grandes diretoras mulheres que ajudaram a criar a história do cinema

Publicidade

Créditos sob as imagens


Mari Dutra
Especialista em conteúdos digitais, Mariana vive na Espanha, de onde destila textos sobre turismo, sustentabilidade e outros mistérios da vida. Além de contribuir para o Hypeness desde 2014, também compartilha roteiros e reflexões mundo afora no blog e no Instagram do Quase Nômade.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Ela se apresenta no Twitter como ‘acompanhante bissexual aposentada’ e revela seus segredos