Debate

Mulheres processam hospital que filmou cirurgias ginecológicas sem autorização

por: Redação Hypeness

Mulheres estão processando o Centro de Mulheres do Hospital Sharp Grossmont. O hospital localizado na Califórnia filmou, sem avisar, cirurgias ginecológicas de suas pacientes.

Cerca de 1,8 mil mulheres foram filmadas sem consentimento em três salas de cirurgia. Ao menos 81 delas entraram com ação na Justiça. As informações são do BuzzFeed News.

Os registros são de julho de 2012 a junho de 2013. Foram instaladas câmeras de detecção de movimento, que registraram nascimentos, cesarianas de emergência, abortos espontâneos, esterelizações, entre outros procedimentos.

O hospital justificou as câmeras como prevenção de furtos

Nos vídeos, é possível ver os rostos das pacientes. Algumas são filmadas enquanto tiram a roupa ou inconscientes. Nenhuma delas foi informada da presença das câmeras.

– Boxeador nega assédio no beijo forçado em repórter gravado em vídeo

– Bar encontra maneira criativa e direta de combater o assédio a funcionárias

– Quatro cães aguardam apreensivos na porta do hospital enquanto dono faz exames e viralizam

Segundo o porta-voz do Hospital Sharp Grossmont, as câmeras foram instaladas em carrinhos de anestesia pela suspeita de furto de medicamentos. “O objetivo das três câmeras era garantir a segurança do paciente ao descobrir por que medicamentos estavam sumindo dos nos carrinhos”, justificou John Cihomsky.

Allison Goddard, advogada das 81 mulheres, diz que o caso é “violação chocante da privacidade do paciente”. Ela acrescenta, “conversei com centenas de mulheres. A resposta é quase universal: elas simplesmente não conseguem acreditar que isso aconteceu”.

Publicidade

Foto: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Mulher negra eleita prefeita aos 32 anos sofre com ataques racistas e covardes: ‘Cara de favelada’