Roteiro Hypeness

Nova York receberá World Pride para os 50 anos de Stonewall | Viaja Bi! #9

por: Rafael Leick

A história dos LGBT+ organizadas como movimento teve início há 50 anos, lá em Nova York. Nas primeiras horas da madrugada de 28 de junho de 1969, o bar Stonewall Inn recebeu uma de suas frequentes batidas policiais com um aviso de “Polícia! Estamos assumindo o lugar!”, mas naquela noite, foi tudo diferente.

Os frequentadores começaram a se recusar a mostrar documentos para o polícia ou irem para uma sala separada para identificação do sexo (“homens vestidos de mulher” iriam presos). As pessoas que foram liberadas começaram a aguardar do lado de fora do bar ao invés de ir embora e curiosos começaram a se juntar a multidão.

Quando aos camburões chegaram para levar os presos, um espectador gritou “Poder gay”, o povo começou a cantar uma música juntos e agir com humor sarcástico. Um policial empurrou uma travesti, que revidou o ataque batendo com sua bolsa na cabeça do oficial. Surgiu rumor de que os frequentadores que ainda estavam dentro do bar estavam sendo espancados, então moedas, e depois garrafas, começaram a ser atiradas contra a polícia.

Uma lésbica foi algemada e agredida por um policial, e tentou escapar repetidas vezes antes de ir pro camburão, lutando contra quatro oficiais. Provocou a multidão com um “por quê vocês não fazem nada?” e, depois que ela foi colocada no camburão, a provocação surtiu efeito e a rebelião começou de fato e perdurou nas noites seguintes.

Esse levante por parte da comunidade LGBT+ culminou numa marcha, um ano depois, que viria a ser considerada a primeira Parada Gay do mundo (na época, o termo LGBT+ ainda não era usado).

 

Nova York recebe o mundo todo na World Pride

Em 2019, os motins que ficaram conhecidos como “Rebelião de Stonewall” completam 50 anos e Nova York comemorará em grande estilo, recebendo a World Pride. O evento é uma Parada LGBT+ que, ao invés de representar a comunidade de uma cidade ou região, representa o mundo todo, acontecendo a cada 2 anos. A última, em 2017, teve Madri (Espanha) como palco.

Essa também é a 1ª vez, nesses 50 anos, que a World Pride acontece em Nova York, o que aumenta o simbolismo do evento. A programação vai ser intensa, começando ainda em maio com o Staten Island PrideFest e engrenando de vez a partir de 1º de junho, tendo eventos espalhados pela cidade durante todo o mês e culminando na Pride Parade, a Parada propriamente dita, no dia 30 de junho.

Tem programação com arte, festas, conferências, esportes, caminhadas, shows que incluem a drag queen brasileira Pabllo Vittar e muito mais. A programação completa está no site do evento. O babado será forte!

Eu estarei em Nova York cobrindo todo esse fervo pelo Viaja Bi!. Se estiver por lá, dê um alô.

 

Nova York 50 anos depois

Nova York recebe a World Pride NYC Stonewall 50 em 2019 - Foto: Divulgação

Nova York recebe a World Pride NYC Stonewall 50 em 2019 – Foto: Divulgação

Em 50 anos, muita coisa mudou. Nova York, então, nem se fala! A cidade muda a cada dia, imagine em 5 décadas o quanto não caminhou. Em relação aos visitantes LGBT+, é hoje uma das cidades mais importantes do mundo. São milhões de turistas por ano e muitos deles se identificando como gays, lésbicas, bissexuais ou pessoas trans.

Vendo esse guia gay de Nova York, dá pra ter uma ideia de quantos bares e baladas para o público LGBT+ temos hoje em comparação com 1969. Hoje, até museu de arte LGBT+ a cidade tem. É uma evolução surreal, mas muito bem-vinda!

Museu de arte LGBT Leslie-Lohman, em Nova York - Foto: Divulgação

Museu de arte LGBT Leslie-Lohman, em Nova York – Foto: Divulgação

Hoje, somos todos bem-recebidos na cidade. Quando há poucos anos, a política dos EUA em nível nacional se mostrou retrocedendo, em um evento que eu estava presente na Argentina, o escritório de turismo de Nova York se posicionou fortemente contra a intolerância e LGBTfobia e fez ataques diretos às políticas retrógradas do então novo governo Trump. Como, de alguma forma, a cidade lidera um pensamento coletivo por sua força, outras cidades acabaram seguindo o exemplo. “Se Nova York está se posicionando, nós também podemos”.

Hoje, há diversas empresas, organizações e marcas apoiando abertamente e investindo na diversidade. É só ver o tanto de logos entre os apoios da WorldPride NYC Stonewall50 ou quantas já têm políticas específicas para esse público, tanto entre os clientes quanto entre os funcionários.

Nova York recebe a World Pride NYC Stonewall 50 em 2019 - Foto: Divulgação

Nova York recebe a World Pride NYC Stonewall 50 em 2019 – Foto: Divulgação

A rede de hospedagens em NYC já está bastante habituada a receber turistas LGBT+ e trabalhar a diversidade internamente. E isso vai desde as mais luxuosas cadeias hoteleiras até hospedagens de baixo custo, como hostels.

Eu, por exemplo, durante minha passagem pela cidade, ficarei hospedado no HI NYC, da rede Hostelling International USA e busquei com eles algumas informações sobre o trabalho deles com a comunidade. Para minha surpresa, são várias as ações. Alguns dos hostels da rede já atualizaram os banheiros para serem amigáveis às pessoas trans, outros oferecem programação em conjunto com as “Prides”, outros oferecem aulas de como viajar sendo LGBT+. Todos eles têm placas nas recepções dizendo serem uma zona livre de ódio e empregam muitos funcionários LGBT+ não só nas unidades como em cargos de liderança.

Isso só pra dar um exemplo! Se fôssemos enumerar todos, ficaríamos aqui até o ano que vem.

Nova York recebe a World Pride NYC Stonewall 50 em 2019 - Foto: Divulgação

Nova York recebe a World Pride NYC Stonewall 50 em 2019 – Foto: Divulgação

A cidade, que já teve essa comunidade como inimiga antes das Rebeliões de Stonewall, também oferece hoje tours de história LGBT+ tanto no bairro do Stonewall, Greenwich Village, quando em museus como o The Met, contando a história sob uma perspectiva LGBT+, por exemplo. É impressionante a evolução que a cidade teve.

E é reconfortante. Que venham os 50 anos de Stonewall. Que venha o nosso orgulho à tona. E que a gente possa se encontrar em Nova York. =)

Publicidade


Rafael Leick
Criador do Viaja Bi!, primeiro e principal blog de viagens LGBT+ do Brasil. Publicitário paulistano, fez intercâmbio em Londres e lá começou a escrever sobre viagem. Trabalhou com órgãos de promoção turística de Toronto, Argentina, Espanha, Reino Unido, Curaçao, entre outros, e grandes empresas do setor. Ministrou palestras no Brasil e no Peru e foi Diretor de Turismo da Câmara LGBT do Brasil.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Feira Sabor Nacional leva produtos e receitas indígenas ao Museu da Casa Brasileira