Ciência

Cientista brasileira cria ‘caneta’ que detecta células cancerígenas em segundos

por: Vitor Paiva

Enquanto o atual governo anuncia cortes na educação e em pesquisa, a ciência brasileira segue, em paralelo, demonstrando o potencial que possui – e a dimensão da perda que tais cortes significarão. Formada em Química pela Unicamp, a cientista Livia Schiavinato Eberlin – que aos 33 anos é chefe de um laboratório de pesquisa da Universidade do Texas, em Austin – desenvolveu uma ferramenta capaz de detectar células cancerígenas em questão de segundos.

Livia e sua MasSpec Pen

No formato de uma espécie de caneta, o dispositivo extrai moléculas de tecidos humanos e aponta, através de análise do material coletado, a presença do câncer. Apesar de ainda estar em desenvolvimento e estudo, os primeiros resultados do uso da tecnologia desenvolvida por Livia nos EUA – onde mora há dez anos, tendo se mudado para cursar por lá seu doutorado – foram promissores, utilizando cerca de 800 amostras de tecido humano.

Batizada de MasSpec Pen, a caneta tem como principal função, segundo a cientista, confirmar, durante uma cirurgia, que todo o câncer foi de fato removido, de forma rápida e eficaz. “Muitas vezes o tecido é retirado e analisado por um patologista ainda durante a cirurgia para confirmar se todo o tumor está sendo retirado, mas esse processo leva de 30 a 40 minutos e, enquanto isso, o paciente fica lá, exposto à anestesia e a outros riscos cirúrgicos”, explicou Livia. A caneta, que utiliza processos químicos e inteligência artificial para alcançar os resultados, nas primeiras análises alcançou uma precisão de 97%.

Em 2018, Livia foi uma das vencedoras da bolsa da fundação MacArthur – popularmente conhecida como “bolsa dos gênios”. A MasSpec Pen agora precisa ser validada em novos testes clínicos, para poder enfim se tornar um instrumento de uso permitido de modo geral. Além de reduzir o tempo, a tecnologia pode baratear e tornar mais acessível resultados mais precisos de análise – que muitas vezes são a diferença entre a vida e a morte para um paciente em cirurgia.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Este engenheiro se recusou a ficar rico com uma descoberta que pode salvar milhões de vidas