Entrevista Hypeness

Conheça história de Vitória Merdinha, a cachorra sem fiofó | Adotar é Hype #6

por: Pedro Drable

Patrocinado por: Güd News

Quem acompanha histórias de adoção na internet sabe que a maioria dos resgates começa de maneira muito similar: com animais em situação de risco e um humano disposto a salvá-los. Só que alguns resgates trazem surpresas maiores que outros, e essa talvez seja a história de adoção mais curiosa que você já leu.

Antes de contar essa história, um aviso: talvez aqueles que não se sintam confortáveis com palavras “grosseiras” e um pouco de escatologia devessem ler outra coluna. Essa aqui sobre animais em apartamentos pequenos, por exemplo.

Porque na entrevista a seguir, vamos falar de uma cachorra muito diferente.

Afinal, essa é a história da Vitória Merdinha: a cachorra que não tem fiofó.

Merdinha é uma cachorra resgatada da rua pela Fabíola Ladeira, uma protetora de gatos que soube da história de uma cachorrinha que corria risco de vida e não deixou sua inclinação por felinos ficar no caminho de resgatar uma vida. Hoje, Merdinha vive uma vida confortável com seus irmãos gatinhos, e distribui sorrisos pela rua e pelo feed da sua página no Instagram.

Para descobrir os detalhes da história da Merdinha, conversamos com sua tutora e salvadora, a Fabiola. A entrevista que você acompanha a seguir.

Precisamos entender essa história do início. Como a Merdinha surgiu na sua vida?

Eu e a minha mãe somos protetora de animais há cerca de 15 anos. Nós resgatamos muitos animais, mas a grande maioria sempre foram gatos, pois sempre tivemos gatos na nossas vidas desde pequenas, tanto ela, quanto eu. Temos um blog para divulgar doações, e nesse blog tinha nosso telefone para contato.

Uma moça nos ligou pedindo ajuda pois tinha pego um filhote na poça de lama após uma tempestade, só que a cachorrinha não estava bem, estava chorando de dor, e ela não tinha condições de levar no veterinário. Então falamos para ela trazer até nós, pagamos o transporte, e ela veio com a Merdinha numa bolsa de mão, de tão pequena que ela era.

Quando você descobriu que ela não tinha ânus? (e qual é o nome correto dessa condição)

A moça já havia desconfiado que ela não tinha ânus, pois percebeu que ela não fazia cocô devidamente, somente umas pequenas gotas, Só percebemos quando ligamos para uma amiga, a Dr. Flavia Quadros que é veterinária (que também fez a cirurgia dela) para nos ajudar e ela informou sobre a condição.

O nome correto é atresia anal, quando há uma má formação durante o período de gestação. Não é uma doença genética, mas um erro de formação da parte traseira do corpo, e pode ocorrer em qualquer mamífero.

Existem vários níveis de atresia anal, do mais simples, onde há apenas uma membrana que fecha o ânus, até casos mais complicados, como o da Merdinha.

Ela passou por muitas cirurgias para contornar a má formação?

A atresia anal dela é bem séria. Ela não tem o ânus, nem o reto, nem a porção final do intestino. Ela nasceu sem o rabo, com atrofiamento de bacia, problemas na patela  e com as últimas vértebras fundidas, quase ficando paraplégica.

A primeira cirurgia foi feita no mesmo dia em que ela chegou na nossas vidas, e ela estava com risco iminente de morte pois além das infecções, o intestino estava dilatado de tantas fezes acumuladas. A cirurgia emergencial foi feita para tentar criar uma passagem. Nesse tipo de caso de atresia anal muitos animais não costumam a sobreviver à cirurgia, pois é extremamente invasiva e o animal é muito novo e está debilitado.

O Dr. Leonardo Maciel que fez essa cirurgia nos avisou que era um caso delicado e que as chances de sobrevivência eram mínimas, mas quando vimos que ela sobreviveu as primeiras 12 horas ficamos mais otimistas.

Mas ela ainda não conseguia evacuar e continuava com muita dor devido às cólicas. Ela fez uma segunda cirurgia (cerca de 15 dias após a primeira) para aumentar a passagem, mas a bacia dela era atrofiada e não dava espaço para uma abertura maior.

A única maneira de resolver era através de uma cirurgia de colostomia (quase 40 dias depois da primeira) , onde se faz uma passagem diretamente na barriga. Uma cirurgia delicada e extremamente dolorosa.

Após a cirurgia ela teve parada respiratória e quase morreu, passou os primeiros dias com dor, mas a colostomia resolveu a retenção das fezes dela. Depois de 4 dias internada ela finalmente teve alta e veio para a minha casa.

E como é a saúde dela hoje em relação a isso?

Eu brinco que a capacidade de produção e evacuação dela agora é no máximo! Então o problema meio que mudou de lado, se antes ela retia as fezes agora ela não tem controle da saída, então o cocô sai constantemente, o que fez ela precisar de fraldas. As infecções foram tratadas e a alimentação dela pode ser como a de todo cachorro.

Fale mais sobre o nome “Vitória Merdinha”. Como ela ganhou esse nome?

O nome ‘Vitória’ veio no trajeto da nossa casa até a clínica onde iria ocorrer a primeira cirurgia dela, eu e minha mãe conversávamos sobre um nome para colocar na ficha, e pensamos que ela precisava de um nome para trazer “sorte”. E veio a ideia de Vitória.

A Merdinha já surgiu com uma amiga que gosta de fazer piadas, e que disse que o nome deveria ser ‘merda’, porque todos os problemas dela era por causa disso. Todo mundo riu, começou a falar ‘Merdinha’ de brincadeira, mas acabou que realmente ficou.

Você já recebeu comentários negativos sobre o nome “Merdinha”? Como você lida com isso?

Ah, eu sempre recebi, não só no Instagram. Eu já fui xingada na rua por pessoas que me perguntavam o nome dela. Eu não me importo com a opinião de terceiros, e se a pessoa vem com educação eu respondo com educação e explico o nome, mas se vem com grosseria e agressividade eu ignoro.

Recentemente, parece que houve um ataque coordenado no Instagram dela. Recebi mais de 15 mensagens somente em um dia, algumas bem agressivas. Alguns amigos vieram ajudar na explicação, e pelo menos uma pessoa se desculpou pelas atitudes erradas e hoje é uma fã da cachorra. Mas é realmente muito estranho ser xingada por causa de um nome que resolvi colocar em um animal.

Redes sociais fazem as pessoas perderem o filtro da empatia, que é necessário em todas as relações humanas, então eu me poupo de muita coisa apenas ignorando os comentários negativos.

Quais são os cuidados especiais que ela tem com saúde ou alimentação?

Como uma criança que usa fraldas, ela tem muitas assaduras na região da colostomia, e por isso eu preciso fazer os mesmo cuidados que fazem em um bebê que usa fraldas, a limpeza tem de ser bem delicada e bem feita, passar pomada contra assadura constantemente, e fazer várias trocas de fraldas por dia.

Ela não pode abusar muito na alimentação, pois se as fezes mudam a consistência a assadura é maior e ela sente mais dor. Então sempre tento ficar de olho no que ela come.

Ela faz o acompanhamento veterinário para ver se a colostomia está bem, se tem risco de fechar, e a saúde intestinal. Ambos estão bem. Infelizmente, como a bacia dela não cresceu o suficiente para que as fezes pudessem passar, ela terá a colostomia para sempre.

Recentemente, ela foi diagnosticada com leishmaniose, Belo Horizonte é uma cidade com alta incidência da doença, fiquei bem triste, mas começamos o tratamento e está se mostrando efetivo!

E os custos para cuidar dela são muito grandes?

O maior custo tem sido as fraldas. São cerca de 200 fraldas por mês. Infelizmente a fralda ecológica não deu certo com as fibras de algodão ficando em contato com a assadura ela realmente sentiu mais incômodo, e tivemos que optar pelas descartáveis.

Abrimos um sistema de apadrinhamento da Merdinha no site Apoia.se, em que várias pessoas me ajudam nos custos da fralda e do veterinário dela, além da lojinha onde vendo as canecas e adesivos dela para conseguir fundos para pagar os remédios e o tratamento da leishmaniose. Ela precisa estar continuamente indo ao veterinário para avaliação de saúde e isso também gera gastos, tanto que abri uma poupança só para colocar o dinheiro que será gasto com ela.

Como outros animais reagem à Merdinha? E como ela lida com eles?

Eu sempre tive gatos, e quando a Merdinha chegou ela imediatamente adorou todos e queria brincar e interagir com eles. Como eu estava dando lar temporário para filhotes de gatos abandonados na época que peguei a Merdinha, todos se deram bem e brincaram bastante. Foi ótimo para a Merdinha acostumar. Meus gatos mais velhos não interagem muito com ela, mas gostam da companhia dela para dormir. Eles nunca brigaram, só rola uma troca de patada quando a Merdinha tenta roubar a comida dos gatos.

Quando o assunto é ficar no meu colo, todos conseguem fazer isso com certa paciência. A Merdinha sempre foi muito calma.

O que você aprendeu com a sua experiência como tutora da Merdinha?

A Merdinha foi efetivamente a minha primeira cachorra, já havia resgatado cães antes, mas nunca ficava com eles mais de um mês. Eu nunca fui uma #timecachorro, sempre fui gateira assumida e apaixonada.

Eu tive de aprender tudo, como cachorro se comporta, como ler todos os sinais e deles, até a maneira correta de segurar. E ainda com a condição dela eu tive de adaptar a minha vida e o meu apartamento.

Mas tem muita coisa boa. Os passeios me fizeram conhecer meus vizinhos e eu nunca fico sem assunto com ninguém, pois se eu falo que tenho um cachorro que nasceu sem o ânus é conversa para horas com as pessoas.

Mas o mais importante que aprendi  é que os animais lutam muito para sobreviver, e ela queria uma chance. Poderíamos ter sacrificado ela no primeiro dia, mas entendemos que todos os animais merecem uma chance de lutar e tentamos dar a ela essas condições de luta. Ela com as probabilidades bem baixas conseguiu vencer todas.

Uma das coisas que mais encanta na forma como você conduz a sua relação com a Merdinha é o bom humor, mesmo com todas as dificuldades que ela passou. É um tipo de filosofia de vida? Ou é inspirado nela?

Um poucos dos dois. Eu sempre falava que se eu tivesse um cachorro eu iria colocar ele nas fantasias mais ridículas e tirar muito sarro, pois os cachorros são os animais mais felizes do mundo, e quem leva cachorro muito a sério perde essa parte maravilhosa deles, que é o quão bobos eles são. Bobos no sentido de terem aquela felicidade simples estampada na cara.

Com a Merdinha a ideia é essa, pegar essa cachorra que tem a condição mais estranha e engraçada, o nome mais engraçado ainda e tirar sarro de tudo. Porque ela já sentiu muita dor na vida, mas é passado, ela está bem e está feliz. Ela quer ser amada, ganhar carinho e passear. Acho a maior bobagem perdemos o nosso tempo tentando procurar uma profundidade na vida de um cachorro que só quer simplicidade.

Como você entende o pensamento da nossa sociedade em relação a cachorros com deficiência? Estamos avançando?

Por parte dos veterinários sim, nenhum me recomendou a eutanásia, todos falaram que era caso cirúrgico de alto risco, mas nenhum falou para eu desistir. Isso já mostra que os especialistas estão dispostos a lutar pelos casos mais complicados.

A população ainda precisa abrir um pouco mais a cabeça, muita gente que me perguntava a história dizia que eu deveria ter eutanasiado, mas a maioria fica com sentimento de pena e de dó, o que para mim pessoalmente é pior.

As pessoas não enxergam que ela está bem e feliz, elas enxergam o problema apenas e se apegam à ele. A Merdinha não deixou de ser um cachorro feliz e tem as mesmas atitudes de um cachorro normal, ela ainda brinca, morde, late, faz bagunça como um cachorro normal. Ela não perde um segundo da vida dela com pena de si mesma.

Qual é o seu objetivo ao contar a história da Merdinha no Instagram e por aqui?

O principal objetivo é fazer com que as pessoas entendam que vale a pena lutar pelos casos mais difíceis dos animais resgatados. Não considere a eutanásia a não ser que realmente não há saída. Dê uma chance para eles lutarem e mostrarem a sua vontade de viver.

Mas também mostrar que animais deficientes tem uma vida feliz, e que existem mudanças que trazem coisas boas nas nossas vidas. Não nos prender na dor, e na pena. Ver além da doença.

Gostou das dicas? Quer encontrar um animalzinho para adotar? Há uma série de outro bichinhos maravilhosos esperando um lar aqui pelo #AdotarÉHype.

View this post on Instagram

Oi tiuooossss… fofura explícita em sua timeline 🐕⠀ Sou a Sofie e procuro um lar bem carinhoso assim como eu! ⠀ Minha mamãe Lucy à luz 9 doguinhos e eu entre eles rsrs…⠀ Nasci dia 27 de dezembro, logo depois que o Papai Noel passou aqui no abrigo. ⠀ Eu e minha irmãzinha Olívia, somos as mais "mignons" da ninhada. ⠀ Mas com 4 meses incompletos, já somos todos castrados e vacinados. Assim, quem me adotar, nem precisa gastar grana com isso =) ⠀ Pelo que a Dra. da clínica disse, deveremos ter Porte Médio, portanto vou caber até em apartamento, viu! ⠀ Estou sendo educada para fazer minhas necessidades em local apropriado e sabe de uma coisa? Eu aprendo rápido!!!! Sou bem ativa e inteligente. Brincalhona e carinhosa também, ainda mais se fizerem cócegas na minha barriguinha gostosa!⠀ Vamos lá…. Entre em contato com as tias do abrigo Mônica/Miriam… elas vão tratar de toda a papelada. Por enquanto moro neste lar temporário que fica num sítio em Cotia/SP.⠀ Os whatsapp são (11) 99914-3820 ou 98101-9036/99769-2810.⠀ Se você não puder me levar pra sua casa, me ajude compartilhando este post com seus amigos. Certeza que um deles vai se apaixonar pela minha "pessoinha".⠀ E olha só que legal, quem me levar pra casa ainda ganha um quadro lindão de presente dos tios do @seupetart, quer coisa melhor do que euzinha em dose dupla?! ⠀ Desde já agradeço e mando muitas lambidas e abanos de rabinho 👅👅👅👅👅😘🐶⠀ #NãoCompreAdote #amizadenãotempreço #adotaréhype

A post shared by Hypeness (@hypeness) on

View this post on Instagram

Aí pessoal que acompanha o Hypeness … cão alegre passando em sua timeline 🐶 Nome: Patrick Idade: 1 aninho apenas! Porte: De médio a pequeno. Peso só 10 kg (mas estou bemmmmmm saudável) Saúde/História: Como os demais coleguinhas do abrigo, fui resgatado para ser bem tratado, receber vacinas e também castração. Já estou naquela fase de cão sossegado… hehehe. Não fico atrás de sapatos, chinelos e outras cossitas para roer! Sou alegre, afetuoso e muito, muito bonzinho. Bem fácil de cuidar. As tias daqui dizem que sou tudo de bom!!! Querendo um amigão para fazer companhia??? Ahhhh, este sou eu heim! Estou atualmente num sítio em Cotia… pertinho da Capital. Para tratar da minha adoção basta mandar whatsapp de 2a. a 6a. para tias Monica ou Miriam (11) 99914-3820 ou 9819036. Gostou de mim mas não pode me adotar? Compartilhe este post com seus amigos… vai que algum deles está procurando um au-au feito eu, né? Valeu amigos!!!! Super lambidas a todos 👅 👅 👅 🐕 Lembrando que quem me adotar vai levar uma arte bem bonitona do @seupetart pra casa junto comigo! 😍 #NãoCompreAdote #amizadenãotempreço #adotaréhype

A post shared by Hypeness (@hypeness) on

View this post on Instagram

Oi tios .. obaaaaa .. chegou a minha vez de aparecer em sua timeline 🐶 Nome: Yopa Idade: a Dra. Andrea que me resgatou disse que eu sou ainda jovenzinha … provavelmente uns 7 meses. Saúde: Após meu resgate fui medicada de pequenos ferimentos (coisas da rua), vacinada e castrada … o que facilita muito a quem quiser me adotar não é mesmo? As tias do abrigo dizem que sou uma bonequinha de linda (e eu concordo hihihi). Tenho um porte semelhante a um BEAGLE. Sou muito boazinha, carinhosa e muito amistosa com pessoas até que nem conheço … imagine se você me levar pra sua casa!!! Me adota??? É muito fácil: mande uma mensagem no whatsapp das tias Monica ou Miriam (11) 99914-3820 ou 9819036. Não pode adotar uma nova amiguinha? Então me ajude a encontrar um dono bem bacana compartilhando este post com seus amigos. Algum deles há de apaixonar por mim!!! Vou ficar esperando heim!!! Lambeijokas pra você 👅 🐕 E pra quem me adotar, os tios do @hypeness se juntaram com os tios do @seupetart para te presentear. Além de ganhar essa fofura sem fim que sou eu, ainda leva um quadrinho super fofo de agradecimento. #NãoCompreAdote #amizadenãotempreço #adotaréhype

A post shared by Hypeness (@hypeness) on

Carinho, parceria, lambidas e muito, muito amor.

Nas horas boas ou nas horas ruins. Na caminhada em um dia de sol ou na cama curtindo o som da chuva do lado de fora. Uma coisa é certa: nossos dogs sempre estarão ao nosso lado.

Pensando sempre no melhor para você e seu dog, o Hypeness e a Güd querem entregar aquele tipo de conteúdo que enche o coração de fofura e paixão pelo seu melhor amigo.

Este conteúdo é um oferecimento da Güd, uma ração premium, mais natural e deliciosa. Ou seja, tudo que seu pet merece… além daquele carinho na barriga que você está devendo. 

Publicidade

Reprodução / Instagram


Pedro Drable
Pedro Drable é publicitário e engajado na causa de animais de rua desde que adotou uma cadelinha chamada Dory. A história de superação dessa cadela sobrevivente de cinomose e seu dia a dia cheio de humor podem ser acompanhados pelo instagram @dorydalata. No mesmo Instagram, o publicitário lançou a Dalata, uma marca para amantes de pets que reverte um terço dos lucros para ajudar abrigos, protetores independentes e animais em risco.


X
Próxima notícia Hypeness:
Lázaro Ramos diz que se separar foi o que deixou a relação com Taís Araújo mais forte