Inspiração

Evangélicos acampam em ponte em Natal e evitam ao menos 16 suicídios

por: Gabriela Glette

Infelizmente, não é apenas em filmes que isto acontece. Na vida real são muitos os casos de pessoas que se jogam de pontes com o objetivo de cometer suicídio. Porém, um grupo de evangélicos da Assembleia de Deus Milagres – em Natal (RN), tem feito vigília na Ponte Newton Navarro, com o objetivo de evitar que isso aconteça. Em apenas 4 dias eles já haviam conseguido impedir 16 suicídios.

vigília ponte evangélicos 1

A ação começou depois de policiais militares noticiarem o resgate de um rapaz que tentou pular da ponte. O acampamento possui tenda para refeições e barracas de repouso para os voluntários e pessoas salvas. Funcionando 24 horas por dia e 7 dias por semana, eles permanecerão em vigília durante 30 dias. Quando um voluntário no acampamento identifica um possível suicida, passa uma mensagem por rádio para alguém que está na ponte, que o leva para o acampamento.

vigília ponte evangélicos 2

Eficaz, o grupo tem aumentado a medida que mais pessoas vão tomando conhecimento dele. Os rádios usados para a comunicação entre eles e a moto para o transporte de cima a baixo da ponte foram doados por empresários, entretanto, eles ainda precisam de doações de água e comida. Fazer vigília na ponte já era um desejo antigo da polícia militar de Natal – já que o local é bastante procurado por pessoas com pensamentos suicidas, porém a falta de verba impediu que isso acontecesse.

Publicidade

Fotos 1 e 2: Reprodução/Facebook Plantão Polícia RN


Gabriela Glette
Uma jornalista que ama poesia e mora na França, onde faz mestrado em comunicação. Apaixonada por viagens e inquieta por natureza, ela encontrou no nomadismo digital o segredo de sua felicidade, e transforma a saudade que sente da família e amigos em combustível para escrever suas histórias.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Filme ‘Divaldo – O Mensageiro da Paz’ conta história do líder humanitário baiano