Diversidade

‘Jogamos por uma nação que nem sabe nossos nomes’: a revolta da seleção feminina alemã

por: Redação Hypeness

Há poucos dias do início da Copa do Mundo de futebol feminino, a seleção da Alemanha apresentou uma campanha importante para o debate sobre o machismo no esporte.

“Jogamos por uma nação que nem sabe os nossos nomes”, diz a mensagem da peça publicitária criticando os que insistem em desvalorizar conquistas do futebol feminino. E olha que a seleção alemã acumula sucesso depois de sucesso.

– Grafiteiras pintam ruas de SP para a Copa do Mundo feminina

“Não temos bolas, mas sabemos usá-las”

São oito títulos europeus, dois mundiais e de quebra um ouro olímpico vencido no Rio de Janeiro em 2016. As imagens mostradas na propaganda não deixam mentir. No entanto, insuficiente para brecar o preconceito.

– Panini lança álbum de figurinhas da Copa do Mundo feminina

– Seleção feminina da Jamaica vai jogar Copa do Mundo com apoio da filha de Bob Marley

“As mulheres só servem para fazer bebês”, “deveriam estar lavando roupa”, são algumas das frases confrontadas pelas atletas da seleção da Alemanha.  

Há espaço ainda para partir ao meio o conceito de masculinidade proliferado aos quatro ventos, “não temos bolas, mas sabemos usá-las”. Repercutiu bem. A propaganda é patrocinada pelo banco Commerzbank. O time alemão estreia em Paris sábado, dia 10, contra a China.

No dia seguinte, às 10h30, o Brasil enfrenta a Jamaica em busca de título inédito. Lembrando que a Copa do Mundo será transmitida ao vivo em TV aberta.

“Não se preocupem, vocês não precisam saber quem nós somos. Apenas o que queremos. Jogar nosso jogo”.

Publicidade

Foto: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Ausência feminina causada por machismo custa US$ 700 bilhões ao ano para setor financeiro