Diversidade

Maioria do STF vota por criminalizar a homofobia. E agora, o que acontece?

por: Redação Hypeness

Publicidade Anuncie

Seis ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram pela criminalização da homofobia. O julgamento atende duas ações sobre o assunto e foi retomado na quinta-feira (23). Rosa Weber, Luiz Fux apresentaram votos em concordância com Celso de Mello, Edson Fachin, Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso. Ainda faltam o parecer de outros cinco membros do tribunal.

A Corte declara omissão do Congresso em aprovar a matéria e determina que o crime de racismo inclua agressões contra os LGBTs até que a norma seja legislada. 

– Vitória! Comissão do Senado aprova criminalização da homofobia

STF destacou omissão do Congresso sobre o assunto

Durante o voto, Rosa Weber destacou a importância do combate à homofobia. “Há coisas que é importante que sejam ditas e reafirmadas. Há temas em que a palavra se impõe e não o silêncio, este é um deles”, pontuou.

Antes do julgamento ser suspenso pelo presidente, o ministro Dias Toffoli, Luiz Fux falou sobre a discriminação por orientação sexual.

– O vídeo do dedo no ânus postado por Bolsonaro é um difusor de homofobia

– Saúde mental x democratização do ensino: como a diversidade pode brecar casos de suicídio

“Se um estabelecimento proíbe a contratação de integrante da comunidade LGBT, evidentemente que é um delito homofóbico, uma violência simbólica, que é tão alarmante quanto a violência física”, apontou.

Toffoli afirmou que o tema voltará à pauta no próximo dia 5 de junho, quando deve ser encerrado. Ao final da votação, crimes contra a população LGBT vão ser punidos sob a Lei do Racismo.

O julgamento do STF atendeu duas ações apresentadas entre 2012 e 2013 pela Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgênero (ABGLT) e o Cidadania (à época PPS – Partido Popular Socialista).

No Senado, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou proposta que inclui crimes de discriminação por orientação sexual e identidade de gênero na Lei de Racismo.

Porém, de acordo com o ministro Celso de Mello, relator de uma das ações, a aprovação do projeto em comissões do Senado não garante passagem no Congresso ou sanção do presidente da República.

Publicidade

Foto: EBC


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Parada LGBT tem Spice Girl e milk-shake de arco-íris com algodão doce do Burger King