Entrevista Hypeness

O que ‘Game of Thrones’ e a cultura pop têm a ver com adoção responsável | Adotar é Hype #5

por: Pedro Drable

Publicidade Anuncie

Gostando ou não do desenvolvimento da última temporada, ‘Game of Thrones’ é uma série que já marcou seu lugar na história da televisão mundial. Mas desde o boom da série, um efeito não previsto foi percebido em abrigos de diferentes lugares do mundo: o aumento do abandono de cachorros de raças como Huskies, Malamutes, Akitas e outros animais que se parecem com os lobos dos Stark.

Parece estúpido, mas é real: um sem número de pessoas se encanta com a aparência de um animal que surgiu na mídia e, por impulso, adota (ou pior, compra) um bicho similar, sem considerar o que de fato significa criar um cachorro. Depois de um tempo, as “dificuldades” (ou responsabilidades) de criar o animal começam a surgir e eles acabam abandonados, aumentando o problema dos animais de rua e a superpopulação de abrigos. E se você pensa que esse é um fenômeno isolado, precipitado pelo sucesso gigantesco de GoT, infelizmente você está errado. Filmes como “Legalmente Loira” e “Homens de Preto” são creditados por aumentar o comércio (e, consequentemente, o abandono) de chihuahuas e pugs, respectivamente.

Influenciadas pela frisson da cultura pop, muitas pessoas tomam decisões por impulso e acabam se arrependendo depois, como em qualquer onda de “consumo”. O problema é quando essas decisões irresponsáveis impactam diretamente a
saúde, o bem estar e o futuro de outra vida.

Por isso, com o season finale de ‘GoT’ dobrando a esquina, precisamos falar sobre adoção responsável. O termo resume a importância de entender o impacto, as exigências e o grau de comprometimento que serão necessários para que se possa dar uma boa vida a um animal adotado. E quem pensa em pagar por um animal deve seguir os mesmos cuidados, já que continua sendo um compromisso por toda a vida do bichinho. Mas seria mais legal parar de pensar em comprar e adotar, como a gente já discutiu nesse texto aqui.

 

Para tornar essa discussão mais rica, resolvemos conversar com um grupo de pessoas que precisa lutar com um dragão por dia para manter a saúde e o bem estar de dezenas de animais em busca de um lar definitivo. conversamos com os membros do Instituto Patruska, um grupo de protetores e voluntários liderado por Patruska Barreiro que trabalha na proteção, resgate e incentivo a adoção de animais em Salvador, BA. Acompanhe a entrevista a seguir, e entenda por que a adoção responsável é um conceito tão importante para os protetores de animais e para quem planeja ter um Ghost em casa.

View this post on Instagram

A CIRURGIA FOI UM SUCESSO! . Vivi saiu da cirurgia bem! Agora, está internada na @semeve, sendo medicada para dor e observada pelas veterinárias responsáveis! . O risco maior, no momento, é a hipotermia, por Vivi ser bebê, e eles ainda não controlarem direito a temperatura do seu corpo. . Ainda precisamos de ajuda para pagar a conta da cirurgia de hoje, que ficou por 4.300 reais. . Por favor, faça uma doação hoje 👇 . 🏦 Santander Ag 0797 Conta 01024649-1 Patruska Barreiro CPF 25565985811 . 🏦 Banco do Brasil Ag 3158-5 Conta 122744-0 Andrea Meireles Veiga . 🏦 BRADESCO Ag 3551-3 Conta POUPANÇA 0019145-0 Patruska Barreiro CPF 25565985811 . 🏦 CAIXA Ag 0672 Op 013 Conta POUPANÇA 60292-9 Andrea Meireles Veiga CPF 611248695-49 #dog #dogs #shunt #shitzu #puppy #institutopatruska #rescuedog #help #donation #love #loveanimals #lovedogs

A post shared by Instituto Patruska Barreiro (@institutopatruska) on

Como vocês definiriam o conceito de Adoção Responsável?
Patruska Barreiro: Adoção Responsável é a aceitação de uma família em receber um novo membro de uma espécie diferente, e se responsabilizar pelos cuidados necessários que visem a saúde e bem estar físico e mental do animal, por toda a sua vida.

Quais são as coisas mais importantes de se avaliar sobre a sua vida quando você decide adotar um animal?
As quatro questões mais importantes são as seguintes:
1 – Você tem tempo para se dedicar ao animal?
2 – Tem condições financeiras de criar o animal?
3 – As pessoas que moram com você estão de acordo?
4 – Está comprometido com a ideia de cuidar do animal por no mínimo 15 anos?
Se qualquer das respostas for não, esse não é o momento de adotar um animal.

Existe algum cuidado importante para a adoção segura de animais de abrigo?
Acho que primeiro é legal deixar claro que nós não consideramos o Instituto um abrigo. Não temos uma sede, os animais ficam na casa de Patruska – que mora em um sítio – e de alguns voluntários, que disponibilizam o espaço. Fora isso, temos um limite de animais, não acumulamos. Sabemos que só somos capazes de ajudar uma certa quantidade de bichos da forma adequada, então para resgatarmos mais cães e gatos, precisamos primeiro conseguir a adoção responsável para aqueles que já resgatamos. Nosso cuidado com a segurança dos nossos animais vem principalmente durante a entrevista. Sempre repetimos algumas recomendações. No caso de filhotes, deixamos claro que eles estão na fase de destruição. Que a pessoa provavelmente vai perder o sofá, sapatos, cabos de carregador, celular etc. E que tanto adultos quanto filhotes vão precisar aprender onde fazer as suas necessidades, e tem comportamentos que são naturais de cães como roer, passear diariamente e brincar. Fora isso, que ter um animal significa ter gastos e mudar sua rotina.

Se a pessoa diz que vai deixar presa no quintal, ela não é aprovada na entrevista. Se a pessoa já teve vários animais que morreram de formas estranhas, também não é aprovada. Patruska sempre diz que uma das perguntas mais importantes a se fazer durante a conversa é “Como seus animais morreram?”, porque precisamos saber como o possível adotante costuma cuidar dos bichos que tem.

Uma outra forma de assegurarmos a segurança dos nossos adotados é o acompanhamento com os adotantes, feito por alguns voluntários, que estão sempre mandando mensagem e checando como o animal está. Estamos sempre a disposição para dar orientações em caso de dúvidas ou problemas de saúde, ajudar em casos de fuga – na hora da entrevista sempre reforçamos a importância do animal andar identificado – e até mesmo buscar o animal, caso a pessoa decida devolvê-lo.

A entrevista e o acompanhamento são as principais formas que temos de tentar garantir a segurança do animal adotado, além de pedir os documentos do adotante. Sempre pedimos rg, cpf, e-mail, telefone, endereço. Enfim, formas de encontrar a pessoa, caso a gente precise.

Quais são os maiores motivos de “devolução” de animais adotados?
Normalmente as pessoas que devolvem, apesar de terem passado da entrevista e de terem sido informadas de todo gasto e cuidado que um animal necessita, devolvem justamente porque não nos levaram a sério. Acabam achando o animal muito dispendioso, ou não pararam para pensar que a sua rotina realmente precisaria ser modificada. Muitas pessoas alegam não ter tempo, ou não ter mais condições financeiras de manter o animal. Algumas também, as que adotam filhotes, costumam dizer que o cão cresceu muito, e que já não cabe no apartamento. Mudanças também são utilizadas como argumento. O famoso “vou me mudar para um local menor, e ele não vai caber lá”.

Outra causa muito comum é que algumas pessoas adotam um animal pela beleza e não pelo temperamento. Muitas pessoas vêm em busca de um animal “fofinho” ou “bonito”, e não param para pensar se preferem um animal agitado ou quieto, independente ou mais apegado, carinhoso ou distante. Sempre que as pessoas nos dizem que querem adotar, perguntamos qual o perfil do animal que a pessoa quer. Mas a maioria só sabe dizer que quer cães filhotes, pequenos ou raçados. O que demonstra que não pararam para pensar direito no assunto.

Que tipo de dano uma eventual “devolução” gera ao animal?
Trauma psicológico que em alguns é irreparável. Medo, depressão, agressividade. Emocional, principalmente. O animal não raciocina da mesma forma que nós. Ele não entende porque durante um tempo foi para uma casa com espaço e dedicação só para ele e, do nada, tem que voltar a viver em um canil. Muitos animais ficam deprimidos, a ponto de realmente morrem de tristeza. Já tivemos alguns casos assim. Tanto de animais abandonados quanto devolvidos. Outros danos causados pelo trauma são medo, depressão, agressividade e problemas comportamentais, que dificultam muito uma nova adoção.

Infelizmente, apesar do nosso esforço, alguns animais acabam tendo com o adotante uma vida com menos qualidade do que a gente conseguia dar conosco, e voltam ainda mais traumatizados e medrosos. Esse medo acaba, em muitos momentos, virando agressividade. E nós temos que ter todo um trabalho de re-socialização com eles, para que eles possam ser adotados novamente.

Que tipos de animais são os mais “adotáveis”? E quais têm mais dificuldade para conseguir um lar?
Com certeza cães de raça, filhotes, e srds de porte pequeno e cores claras. São sempre os mais procurados em nossos eventos e também pelo nosso direct no Instagram. Durante uma época, tivemos alguns filhotes de rottweiler para adoção. Foram mais de 200 e-mails em 1h. Fizemos um post sobre filhotes de vira-latas em um horário de engajamento igual, e só tivemos algumas pessoas interessadas. Em torno de dez, e uma parte não foi em frente com a adoção. Na realidade, até hoje as pessoas comentam em postagens de cães de raça que resgatamos, perguntando se estão disponíveis, mesmo quando eles já foram adotados há muito tempo.

Já os que têm mais dificuldade são os animais de pelagem escura ou tigrada, idosos ou que possuem alguma sequela de doença ou deficiência física. Glória Maria, por exemplo, é uma vira-lata de cor preta, que foi adotada com 3 meses, devolvida e, desde então, espera novamente um lar. Já tem pelo menos 2 anos conosco.

Outra situação é a de Lindinha, que venceu a cinomose, mas ficou com mioclonia nas patas anteriores – ou seja, as frontais. Ela não consegue andar longas distâncias, mas fora isso faz tudo normalmente. Muitas pessoas acham ela linda, mas quando descobrem que ela é especial, desistem da adoção.

Por fim, caso uma pessoa chegue à conclusão de que ainda não é hora de adotar um animal: quais são as formas possíveis de se ajudar abrigos sem ser um adotante?
São várias maneiras de ajudar. Algumas delas: divulgando os animais para adoção, ajudando a cuidar dos animais, oferecendo lar temporário, sendo padrinho de um animal, ajudando a ONG com doações financeiras ou com ração e produtos de higiene.

No caso do Instituto Patruska Barreiro, a ajuda financeira pode ser tanto mensal, com um valor que a pessoa mesmo escolhe (não temos valor mínimo, um real faz mesmo a diferença para nossos animais), quanto esporádica, para casos específicos de resgates. Caso alguém tenha interesse em ser doador mensal, é só entrar em contato conosco pelo direct ou pelo nosso WhatsApp (71) 99933-1450.

Gostou das dicas? Quer encontrar um animalzinho para adotar? Além da Patruska, há uma série de outro bichinhos maravilhosos esperando um lar aqui pelo #AdotarÉHype.

View this post on Instagram

Oi tiuooossss… fofura explícita em sua timeline 🐕⠀ Sou a Sofie e procuro um lar bem carinhoso assim como eu! ⠀ Minha mamãe Lucy à luz 9 doguinhos e eu entre eles rsrs…⠀ Nasci dia 27 de dezembro, logo depois que o Papai Noel passou aqui no abrigo. ⠀ Eu e minha irmãzinha Olívia, somos as mais "mignons" da ninhada. ⠀ Mas com 4 meses incompletos, já somos todos castrados e vacinados. Assim, quem me adotar, nem precisa gastar grana com isso =) ⠀ Pelo que a Dra. da clínica disse, deveremos ter Porte Médio, portanto vou caber até em apartamento, viu! ⠀ Estou sendo educada para fazer minhas necessidades em local apropriado e sabe de uma coisa? Eu aprendo rápido!!!! Sou bem ativa e inteligente. Brincalhona e carinhosa também, ainda mais se fizerem cócegas na minha barriguinha gostosa!⠀ Vamos lá…. Entre em contato com as tias do abrigo Mônica/Miriam… elas vão tratar de toda a papelada. Por enquanto moro neste lar temporário que fica num sítio em Cotia/SP.⠀ Os whatsapp são (11) 99914-3820 ou 98101-9036/99769-2810.⠀ Se você não puder me levar pra sua casa, me ajude compartilhando este post com seus amigos. Certeza que um deles vai se apaixonar pela minha "pessoinha".⠀ E olha só que legal, quem me levar pra casa ainda ganha um quadro lindão de presente dos tios do @seupetart, quer coisa melhor do que euzinha em dose dupla?! ⠀ Desde já agradeço e mando muitas lambidas e abanos de rabinho 👅👅👅👅👅😘🐶⠀ #NãoCompreAdote #amizadenãotempreço #adotaréhype

A post shared by Hypeness (@hypeness) on

View this post on Instagram

Aí pessoal que acompanha o Hypeness … cão alegre passando em sua timeline 🐶 Nome: Patrick Idade: 1 aninho apenas! Porte: De médio a pequeno. Peso só 10 kg (mas estou bemmmmmm saudável) Saúde/História: Como os demais coleguinhas do abrigo, fui resgatado para ser bem tratado, receber vacinas e também castração. Já estou naquela fase de cão sossegado… hehehe. Não fico atrás de sapatos, chinelos e outras cossitas para roer! Sou alegre, afetuoso e muito, muito bonzinho. Bem fácil de cuidar. As tias daqui dizem que sou tudo de bom!!! Querendo um amigão para fazer companhia??? Ahhhh, este sou eu heim! Estou atualmente num sítio em Cotia… pertinho da Capital. Para tratar da minha adoção basta mandar whatsapp de 2a. a 6a. para tias Monica ou Miriam (11) 99914-3820 ou 9819036. Gostou de mim mas não pode me adotar? Compartilhe este post com seus amigos… vai que algum deles está procurando um au-au feito eu, né? Valeu amigos!!!! Super lambidas a todos 👅 👅 👅 🐕 Lembrando que quem me adotar vai levar uma arte bem bonitona do @seupetart pra casa junto comigo! 😍 #NãoCompreAdote #amizadenãotempreço #adotaréhype

A post shared by Hypeness (@hypeness) on

View this post on Instagram

Oi tios .. obaaaaa .. chegou a minha vez de aparecer em sua timeline 🐶 Nome: Yopa Idade: a Dra. Andrea que me resgatou disse que eu sou ainda jovenzinha … provavelmente uns 7 meses. Saúde: Após meu resgate fui medicada de pequenos ferimentos (coisas da rua), vacinada e castrada … o que facilita muito a quem quiser me adotar não é mesmo? As tias do abrigo dizem que sou uma bonequinha de linda (e eu concordo hihihi). Tenho um porte semelhante a um BEAGLE. Sou muito boazinha, carinhosa e muito amistosa com pessoas até que nem conheço … imagine se você me levar pra sua casa!!! Me adota??? É muito fácil: mande uma mensagem no whatsapp das tias Monica ou Miriam (11) 99914-3820 ou 9819036. Não pode adotar uma nova amiguinha? Então me ajude a encontrar um dono bem bacana compartilhando este post com seus amigos. Algum deles há de apaixonar por mim!!! Vou ficar esperando heim!!! Lambeijokas pra você 👅 🐕 E pra quem me adotar, os tios do @hypeness se juntaram com os tios do @seupetart para te presentear. Além de ganhar essa fofura sem fim que sou eu, ainda leva um quadrinho super fofo de agradecimento. #NãoCompreAdote #amizadenãotempreço #adotaréhype

A post shared by Hypeness (@hypeness) on

Publicidade

Divulgação e Reprodução


Pedro Drable
Pedro Drable é publicitário e engajado na causa de animais de rua desde que adotou uma cadelinha chamada Dory. A história de superação dessa cadela sobrevivente de cinomose e seu dia a dia cheio de humor podem ser acompanhados pelo instagram @dorydalata. No mesmo Instagram, o publicitário lançou a Dalata, uma marca para amantes de pets que reverte um terço dos lucros para ajudar abrigos, protetores independentes e animais em risco.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Agora historiador formado, gari apresenta TCC fardado: ‘Para dar visibilidade’