Diversidade

Siri se casa com Alexa para celebrar parada LGBT+ na Áustria

por: Vitor Paiva

Depois que a Áustria legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo, em janeiro desse ano, o amor deixou de segregar quem quer que fosse – mesmo pessoas que só existem no mundo virtual. Para celebrar e promover a EuroPride, primeira parada LGBT+ a acontecer na cidade depois da importante mudança na lei, a Vienna Tourist Board, secretaria de cultura da capital austríaca, decidiu celebrar o casamento entre Siri e Alexa, as duas assistentes virtuais de voz da Apple e da Amazon. O anúncio da EuroPride realizou a primeira união lésbica tecnológica que se tem notícia – e tudo dentro da lei.

O anúncio foi uma parceria entre o órgão de turismo de Viena e a agência alemã Serviceplan, o estúdio digital Plan.net e a revista Vanguardist, e por mais que as noivas fossem virtuais, a cerimônia foi real – e não poupou no luxo e no evento. A cerimônia aconteceu no castelo Belvedere, e incluiu um cinematográfico passeio de carruagem para as noivas pela cidade.

“Eu sei que muita gente acha que não era pra ser, mas os tempos mudaram”, disse Alexa, em seus votos – sim, as assistentes disseram votos na cerimônia. “Aqui em Viena somos livre para amar. Então, se você quiser ser minha esposa, então só precisa dizer. Siri, me chame de esposa?” – e Siri respondeu: “A partir de agora, eu te chamarei de esposa”.

“Se você está feliz, eu estou feliz”

Ainda que se tratasse de um anuncio e de um casamento virtual, a emoção parece ser real – tratasse, afinal, de uma alegoria, mas sobre a vida das pessoas. A EuroPride acontecerá em Viena no mês de junho.

Publicidade

© fotos: reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Atriz diz que tinha medo de se assumir por pais serem gays