Matéria Especial Hypeness

Com o pé direito e para afastar a má fase de vez

por: Amanda Célio

A seleção brasileira entrou em campo pela primeira vez na oitava edição da Copa do Mundo de Futebol Feminino no último domingo (9), no Stades Des Alpes, em Grenoble, na França. Estreias são sempre complicadas, principalmente pelo fator ansiedade, e no caso, da seleção, os maus resultados recentes (a seleção vinha de nove derrotas consecutivas), os desfalques, as lesões (Marta, principal referência e capitã da equipe não estreou no primeiro jogo; e Erika Lima, zagueira titular que foi cortada dois dias antes da estreia por uma lesão) e outros conflitos internos, contribuíam para elevar a desconfiança do grupo.

Apesar desse cenário, o que vimos em campo foi uma equipe segura, que entrou em campo de cabeça erguida e com muita vontade de conquistar os três pontos no Grupo C. A vitória também é reflexo do grupo experiente que temos.

A seleção adversária, que fez sua estreia em Copa do Mundo, entrou em campo como a primeira equipe caribenha a participar de um Mundial. Essa conquista é fruto do trabalho de Cedella Marley, filha de Bob Marley, que desde 2014 é embaixadora da seleção jamaicana e não mediu esforços para que as jogadoras conseguissem uma histórica classificação para a Copa.

Mesmo sendo considerada a equipe menos perigosa do Grupo C, que ainda conta com Itália e Austrália, a seleção jamaicana é um time veloz e que poderia surpreender em algum contra-ataque, ou ainda por possuir jogadas aéreas perigosas com capitã Konya Plummer e a sua companheira de zaga, Allyson Swaby, mas, que, no jogo de ontem, acabaram não funcionando.

O que realmente chamou atenção na equipe foi a bela atuação da goleira de apenas 19 anos e universitária, Sidney Schineider, que com grandes defesas evitou que o placar fosse mais elástico, e hoje já ganhou destaque nos principais cadernos esportivos e até elogio da goleira da seleção brasileira Bárbara: “Se ela tiver um preparador de goleiro muito bom para trabalhar, ela vai ganhar o mundo. Ela vai se destacar muito, porque é muito nova e tem uma estatura muito boa”, disse a goleira durante uma entrevista.

O JOGO

Nos primeiros 15 minutos de jogo, quando a seleção brasileira já havia tido ao menos três chances claras de gol, a nossa camisa 11 Cristiane, acertou um cabeceio certeiro no gol de Schineider, após cobrança de lateral. Andressa recebe na esquerda e faz o cruzamento perfeito para Cristiane abrir o marcador. Se a finalização de Cristiane foi indefensável no canto esquerdo de Schineider, a goleira jamaicana fechou o canto direito em cobrança de pênalti de Andressa Alves aos 36 minutos do primeiro tempo.

Mas voltemos a grande estrela do jogo: Cristiane Rozeira, 34 anos, 10 anos vestindo a camisa da seleção brasileira e sua quinta participação em uma Copa do Mundo. E não parou por aí. Ela queria mais.

A atacante deu muito trabalho para a zaga jamaicana, e começou a segunda etapa ampliando o placar Stade des Alpes, mostrando muito oportunismo. O segundo gol trouxe a tranquilidade que a seleção precisava, e visivelmente a equipe brasileira diminuiu o ritmo e a intensidade, passando a controlar mais o jogo.

O terceiro gol da seleção e de Cristiane foi um golaço pra ninguém botar defeito. Chamando a responsabilidade em uma falta da entrada da área, a artilheira brasileira mandou um chutaço no canto da goleira jamaicana, numa bola que caprichosamente acertou o travessão, caiu dentro do gol, saiu, e sem nenhuma dúvida, a juíza validou o gol, prescindindo da tecnologia.

Após o hat-trick, o técnico Vadão optou por poupar a camisa 11, que sob muitos aplausos, deu lugar a Ludmila, que entrou com muito vigor e quase marcou o quarto gol aos 34 minutos do segundo tempo. Além de Cristiane, a também atacante Bia Zaneratto foi substituída por Geyse.

A última substituição na seleção canarinho foi a estreia de Daiane, zagueira chamada às pressas após o corte de Erika, no lugar da zagueira Kathellen, que fez um bom jogo.

Aliás, a defesa brasileira como um todo mostrou-se sólida, conseguindo anular quase todas investidas ofensivas da seleção da Jamaica. Pode-se destacar individualmente no setor defensivo a lateral esquerda Tamires, que pareceu não sentir o peso da estreia e a liderança discreta da zagueira Mônica.

A primeira e importante vitória do Brasil por 3×0 espanta a má fase que a seleção comandada por Vadão vinha sofrendo. Com os três pontos garantidos no grupo C, a seleção assume a liderança pelo saldo de gols e agora se prepara para o seu próximo desafio, na quinta-feira (13), às 13h, contra a Austrália, que ocupa a terceira colocação, em Montpellier. Esse é outro fantasma que a seleção precisará espantar. A seleção australiana foi quem eliminou a seleção brasileira, nas oitavas de final, na última Copa de 2015.

RECORDES

Já que a gente gosta é de recorde, no jogo de ontem, Cristiane não só mostrou a anotou seu hat-trick, como também se tornou a jogadora mais velha da história a conseguir três gols na competição entre homens e mulheres e foi a primeira jogadora da história a fazer gols em três mundiais diferentes (2007, 2011 e 2019).

E quem não fica atrás quando o assunto é recorde, é a nossa meia-campista Miraildes Maciel Mota, ou simplesmente Formiga, duas vezes vice-campeã olímpica e uma vez vice-campeã mundial de futebol feminino.  Ao entrar em campo diante da Jamaica, a volante da seleção brasileira escreveu seu nome na história do Mundial, tornando-se a mais velha a disputá-lo: “Sou grata por ter saúde”. Formiga, você também é fofa, perfeita e muito modesta para nós.

TREND TOPICS

A hasthag #GuerreirasDoBrasil virou trend topics no Twitter durante o domingo. Durante a partida os dez assuntos mais comentados da rede social eram sobre a seleção brasileira e o Mundial na França.

BOLAS FORA

No início do segundo tempo, durante a transmissão pela Rede Globo, Galvão Bueno, que se referia às jogadoras da seleção o tempo todo como “meninas”, cometeu uma gafe ao dizer sua célebre frase: “Autoriza o árbitro”. Ops, mas ele esqueceu que todo o trio de arbitragem era feminino e logo foi consertando os artigos. Quem também não mandou bem durante a transmissão foi o comentarista Caio Ribeiro que em parceria com a comentarista Ana Thais de Matos, tentava se sobrepor aos comentários, deixando a estreia da comentarista discreta, porém extremamente importante e simbólica. Ana Thais fez história ao se tornar a primeira mulher a comentar um jogo na Rede Globo. Caio Ribeiro, por sua vez, também foi criticado na internet após elogiar a beleza da jogadora Andressa Alves, da seleção brasileira.

Publicidade

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Filha de diarista de 9 anos é classificada para Bolshoi e família arrecada dinheiro para viagem