Debate

Condenada na Justiça, Universal é acusada de esterilizar pastores

por: Redação Hypeness

Ex-pastores acusam a Igreja Universal do Reino de Deus a forçá-los a realizar vasectomia como condição para o ingresso, permanência e ascensão. De acordo com matéria da Folha de São Paulo, a instituição foi condenada na Justiça pela esterilização dos líderes religiosos.

Os processos correm na Justiça do Trabalho. Recentemente, o Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT-2) condenou a igreja fundada por Edir Macedo a pagar R$ 115 mil por danos morais e materiais ao ex-pastor Clarindo de Oliveira, de 44 anos. A decisão é em segunda instância.

– Passaporte diplomático dado a Edir Macedo é suspenso

– Pastor lança cartão de crédito ‘Fé’ durante culto e gera revolta nas redes sociais

O parecer de 7 de maio confirma, de acordo com a desembargadora Silvana Ariano, a existência da “prática de imposição da vasectomia” pela Universal do Reino de Deus.

Clarindo, no caso, trabalhou em templos do Brasil e Honduras entre 1994 e 2010. “Para permanecer na igreja [o pastor] tinha que fazer vasectomia”, disse testemunha de Oliveira.

O próprio pastor, que citou punições e viu sua renda diminuir de R$ 4 mil para R$ 2 mil ao mês, declarou à Folha que “a intenção [da vasectomia], eu percebi depois, era impedir que o pastor fique preso em uma cidade por filhos, além de evitar ter despesas com a família”.

– Após chamar Nossa Senhora de ‘desgraçada’, Universal apaga vídeo e pede desculpas

– Record é condenada por racismo e terá de transmitir programas sobre religiões de matrizes africanas

Testemunhas ouvidas no processo revelam que a Universal acredita que pastores sem filhos custam menos, já que a igreja banca os custos da família e do pastor em eventual mudança de cidade.

A Igreja Universal responde outra ação civil pública, esta movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), que se baseia em casos de mais pastores que sofreram pressão para a realização da vasectomia.

O MPT-RJ levantou mais de 150 processos trabalhistas contra a igreja

“Se constitui em grave violação do direito do trabalhador ao livre controle sobre seu corpo e em indevida intromissão do empregador na vida do trabalhador”, pontua Silvana.

Além de São Paulo, a Procuradoria aprecia materiais vindos de Minas Gerais. O órgão acredita ter provas suficientes para pedir indenização coletiva de R$ 100 milhões. O MPT do Rio de Janeiro levantou mais de 150 processos trabalhistas contra a instituição.

A igreja se defende em recurso e disse à Folha que as condenações são exceção em processos movidos.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
É oficial: Ebola agora é curável; entenda como funciona o novo tratamento