Inspiração

Filhote de raposa prende a cabeça em pote de maionese, mas é resgatado

por: Vitor Paiva

Um filhote de raposa se viu literalmente preso na armadilha da curiosidade e provavelmente da própria fome na cidade de Yeovil, no interior da Inglaterra – e teve de contar com a ajuda humana para se livrar da enrascada. Ao vasculhar o conteúdo de uma caixa de lixo cheia de matérias recicláveis, disposta na rua para ser levada pela coleta, o filhote ficou com a cabeça entalada em um pote de maionese. Ao ser encontrado com o pote na cabeça por uma residente da cidade, o filhote foi resgatado para ser libertado.

Segundo a moradora, o animal estava calmo e parecia bem de saúde. Junto com o marido, a mulher contou que a grande dificuldade foi mesmo fazer passar as orelhas da pequena raposa para fora do pote. “Eu tentei passar azeite em volta do pescoço dele e ao redor do pote. Gastamos cerca de 20 minutos tentando libertá-lo. O filhote era muito macio e fofinho”, afirmou a mulher, de nome Donna Love. “Eu não sei se ele estava assustado, mas quando tiramos o jarro, ele apenas ficou lá parado. Então meu marido o levantou e o carregou até a rua e nós o colocamos no chão e ele foi embora”, lembrou Love.

O episódio serviu de exemplo para que o porta-voz da empresa de coleta de lixo local frisasse a importância de separar o lixo de forma correta – esmagando todas as embalagens recicláveis, com exceção de vidro e aerossóis. Além disso, tampar as caixas e latas de lixo também é fundamental, pela higiene geral e para proteger o bem-estar de eventuais animais curiosos.

Publicidade

© fotos: reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Casal de Rondônia cria barraca sem atendimento e lucra apostando na honestidade