Arte

Incêndio em estúdio destruiu gravações inéditas e históricas do Nirvana

por: Vitor Paiva

Acreditava-se que o incêndio que tomou conta dos estúdios da Universal, em Hollywood, havia atingido somente uma parte dos sets de cinema – incluindo cenários de filmes como De Volta para o Futuro. Recentemente, no entanto, foi revelado que o fogo destruiu também uma imensa parte do acervo de música da Universal – e, com isso, uma parte fundamental da história da música pop dos EUA também foi destruída. Gravações inéditas e másters de artistas como Nirvana, Soundgarden, REM, Ray Charles, Guns n’ Roses, The Mamas and the Papas, Eric Clapton, Aerosmith, Sting, Sonic Youth, Eminem, Tupac Shakur e 50 Cent se foram pra sempre com o fogo.

O estúdio em chamas, em 2008

Estranhamente, se a notícia sobre o acervo musical é recente, o mesmo não pode ser dito do incêndio propriamente: a tragédia aconteceu em 2008, mas só agora a dimensão musical da destruição foi noticiada. Entre o acervo queimado acredita-se que estava, por exemplo, as fitas másters originais do clássico disco Nevermind, do Nirvana – o álbum mais importante dos anos 1990 e um dos mais importantes da história da música.

Acima, o Nirvana; abaixo, Kurt Cobain em estúdio, gravando Nevermind

As fitas masters são a base de qualquer reprodução, remixagem, masterização e cópia de um disco, e preservam a qualidade e a sonoridade original em fidelidade e especificidade desde a gravação de um disco.

Acima, os bombeiros salvando algumas das fitas do fogo; abaixo, o que restou do estúdio após o incêndio 

De acordo com a revista NME e o jornal The New York Times, que tiveram acesso aos documentos reveladores da dimensão da tragédia, cerca de 500 mil músicas e gravações foram destruídos no incêndio. Além dessas páginas fundamentais da música moderna, outro aspecto torna o ocorrido ainda mais lamentável: a perda de gravações de artistas mais antigos, alguns fundadores da música dos EUA e outros verdadeiros cânones da música mundial, como Billie Holliday, Chuck Berry, Cab Calloway, Sister Roseta Tharpe, Les Paul, Buddy Holly, John Coltrane, Fats Domino, Big Mama Thornton, Sammy Davis Jr., Ella Fitzgerald, Etta James, Judy Garland e B.B. King.

Buddy Holly gravando – praticamente todo o registro original de sua obra foi destruído

Não por acaso, a matéria no New York Times chama o incêndio de “a maior tragédia da história da música”. A lista de obras atingidas pelo fogo é assombrosa e interminável, e nos faz lembrar de páginas igualmente sombrias de descaso e tragédia marcadas por incêndios com acervos e museus brasileiros.

Ella Fitzgerald em estúdio

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
‘Sócrates’, o ‘Moonlight’ brasileiro, vai disputar vaga no Oscar 2020