Arte

Pesquisa global mostra que pessoas que leem são mais felizes

por: Vitor Paiva

Quando se está apaixonado por um livro, qualquer hiato de tempo se torna uma oportunidade de mergulhar em mais uma página, e a ideia de voltar para casa e atravessar horas dentro de uma história causa tanta alegria quanto encontrar a pessoa amada – e, como um vício bom, a tristeza de terminar um bom livro é instantaneamente curada pelo começar do próximo: é a própria felicidade. Uma pesquisa encomendada pela Kindle ao instituto Kelton Global comprova esse diagnóstico, concluindo que a leitura ajuda nos relacionamentos e na conexão com pessoas, aumentando propriamente a felicidade do leitor. Quem lê, portanto, é mais feliz.

A pesquisa entrevistou mais de 27.305 pessoas, maiores de 18 anos, de 13 países: EUA, Canadá, México, Reino Unido, Alemanha, Itália, França, Espanha, Japão, Austrália, Índia, China e Brasil. A sugestão da pesquisa é que pessoas que leem mais se sentem mais relaxadas – entre os leitores frequentes (semanais), 71% das pessoas declararam se sentirem felizes; entre os leitores esporádicos, a felicidade alcança 55%. Não é por acaso que quase metade (45%) dos participantes da pesquisa espalhados por todo o mundo tem como meta de desenvolvimento pessoal aumentar a leitura.

A internet é, segundo a pesquisa, um inimigo e, ao mesmo tempo, um incentivo para a leitura: se, por um lado, o medo de estar perdendo algo online, as mensagens e as notificações constantes atrapalham a dedicação aos livros, por outro, 34% dos entrevistados fogem justamente das distrações digitais através da leitura. E esse hábito pode trazer a felicidade em outras áreas fundamentais, já que 65% das pessoas declarou que a leitura é um hábito que gera atração, e 41% confirmou que falar sobre livros os ajudou a se apaixonar por seus pares. As conclusões e correlações que a pesquisa oferece são muitas e especialmente variadas, mas todas apontam para o mesmo e mais objetivo ponto final: a dedicação à leitura é proporcional à felicidade do leitor.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Alphonse Mucha: ícone da Art Nouveau ganha mostra inédita no Brasil