Diversidade

PM que pediu namorado em noivado sofre ameaças: ‘Vou te quebrar todo’

por: Redação Hypeness

Leandro Prior pediu o namorado em casamento no último domingo (23), mesmo dia da ‘Parada do Orgulho LGBT’. O sargento da Polícia Militar de São Paulo propôs fardado, em frente ao posto de trabalho na Luz, no centro da cidade. 

– Fardado e vigiado, PM desafia governador e pede namorado em casamento

– O casamento de dois soldados da PM é um golpe contra a homofobia

Fotos do sargento e do namorado circulam em grupos de WhatsApp

Um dia depois, Prior, de 28 anos, apresentou à Corregedoria da Polícia Militar paulista denúncia de crime de racismo. O documento está anexado com uma ameaça homofóbica recebida via mensagem direta no Facebook. 

Como apurou a repórter Janaina Garcia, do Universa, Prior teria sido xingado por um policial reformado e ex-membro do 39º Batalhão da Capital, que exigiu a saída do sargento da corporação. 

– ‘23ª Parada LGBT’ reúne 3 milhões e se firma como um dos maiores eventos turísticos de SP

“Bichona filha da put*a. Pede baixa [saia da PM], seu viadão do caralh*, vou te caçar atrás, te catar e te encontrar e vou te quebrar todo, seu viado do caralh*”.

Ele segue dizendo que Leandro não vai “desonrar a minha gloriosa PMSP. VOU TE CAÇAR E TE ENSINAR A VIRAR HOMEM NA PORRADA”. 

A repórter teve acesso ao conteúdo, incluindo fotos do casal, que circulam em grupos de WhatsApp. Os supostos policiais acusam Prior de ofender a “dignidade da classe e a instituição”, ao passo que, segundo eles, “mártires estão na rua caçando ladrão, prendendo, trocando tiro. Eles não fazem nada”, dizem os supostos militares em referência ao comando da PM.   

Não é a primeira vez que Leandro Prior recebe ameaças por causa da orientação sexual. O sargento diz que homens teriam fotografado a área em que o namorado reside. Em 2018, ele foi clicado (sem autorização) beijando o então namorado em um vagão do Metrô. Leandro estava fardado. 

Doria impediu que Leandro propusesse fardado

Ameaças de morte foram colhidas e enviadas à Corregedoria, incluindo a realizada por um policial da Rota, Renato Nobile, que o chamou de “desgraçado, canalha safado. Desonra para a minha corporação. Esse tinha que morrer na pedrada!”, escreveu no Facebook, que de acordo com ele, teria sido hackeado. Ninguém foi punido. 

No domingo, o pedido aconteceu próximo de uma base na região da Cracolândia, Leandro Prior e o namorado Elton da Silva Luiz, de 26 anos, foram monitorados por um veículo descaracterizado. Acredita-se que o carro placa FLT-2842 levava uma dupla de P2 – policiais militares disfarçados. 

Governador disse não 

Desde o início, a história é cercada de tensão. A ideia de Leandro era realizar o ato na Avenida Paulista, durante a ‘23ª Parada do Orgulho LGBT’. O pedido foi negado pelo governador João Doria (PSDB). 

“Considerando que o uso do fardamento por Policial Militar em manifestações não está previsto no regulamento de uniformes, não há fundamentação legal para que seja autorizada a sua utilização, motivo pelo qual foi indeferido o pedido”, ressaltou a PM em nota. 

O clima tenso se estendeu para o domingo. Embora todo o processo tenha demorado cinco minutos, a Polícia Militar afirmou, também pela assessoria de imprensa, que a conduta de Leandro será apurada disciplinarmente. 

Publicidade

Fotos: foto 1: Reprodução/Instagram/foto 2: Governo do Estado de São Paulo


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Demorou 99 anos, mas UFRJ cria pós-graduação sobre autores negros