Diversidade

Processado por racismo por Milton Gonçalves, Paulo Betti diz que fala ‘está fora do contexto’

por: Redação Hypeness

Os atores Milton Gonçalves e Jorge Coutinho processam o também ator Paulo Betti por racismo. Como revelou o jornal Folha de São Paulo, o crime teria ocorrido em um grupo de WhatsApp.

Milton é membro de chapa que disputa com Betti a presidência do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculo de Diversões do Estado do Rio de Janeiro (SATED). Segundo ele, Paulo Betti publicou o seguinte em 16 de abril:

“A atual diretoria do sindicato está lá há muito tempo e tem uma forte representação negra com Jorge Coutinho e o grande Milton Gonçalves, além do querido Cosme, isso complica bastante a luta, pois pode confundir as coisas”.

Betti cita mensagem ‘fora de contexto’

Jorge Coutinho e Cosme Santos também estão processando o autor pelo crime de racismo. Ao Notícias da TV, Milton Gonçalves admitiu tristeza com a situação.

– Humorista Yuri Marçal denuncia racismo no Uber: “Se ficasse atrás dele, teria que dar me um tiro”

– ‘Olhos que Condenam’ nos sufoca ao mostrar como a Justiça desumaniza jovens negros

– O racismo será premiado: William Waack vai comandar a CNN Brasil

“É uma dor no coração muito grande. Não tenho mais paciência para discutir raças. Não quero saber disso, quero que todos sejam seres humanos. Todos iguais”.

À Folha de São Paulo, Paulo Betti se defendeu dizendo que a mensagem vazada está fora de contexto. Ele assinala ainda que Milton Gonçalves não é membro do grupo. Betti citou colaborações com artistas negros ao longo da carreira.

“O contexto era o de montarmos uma chapa para concorrer com a do Milton [presidente atual do sindicato]. E estávamos falando de como iríamos nos preparar para enfrentá-la. É uma questão muito delicada. Minha primeira peça profissional como diretor foi com Ismael Ivo, ele ator. Meu filme ‘Cafundó’, com Lázaro Ramos.”

Milton admitiu cansaço em ‘discutir raças’

Milton confirmou que não é membro do grupo, no entanto garantiu o contexto da mensagem. “Interpelação é uma coisa muito vaga, mas que tem uma gravidade para mim, e vou responder judicialmente. A mensagem está dentro do contexto da disputa sindical e foi enviada há quatro meses”.

Paulo Betti tem 15 dias para apresentar sua defesa. A contagem teve início em 13 de junho, seguindo determinação do juiz Daniel Werneck Cotta. Em caso de condenação, a pena é de um a três anos de prisão, além de multa.

Publicidade

Fotos: Reprodução/TV Globo


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Homem divulga cartazes em SP oferecendo programa com a ex-mulher