Debate

Vaquinha para vendedora de balões arrastada por carro passa os R$ 25 mil

por: Redação Hypeness

Você viu aqui no Hypeness o caso de Marina Izidora Morais. A vendedora foi arrastada por 100 metros por um carro de luxo por se recusar a vender um balão de graça. O caso aconteceu em Taguatinga, no Distrito Federal.

Apesar das escoriações, a diarista de 63 anos passa bem. A história gerou comoção e Marina, que perdeu boa parte do dinheiro das oito horas de trabalho na porta de uma festa junina, recebeu mais que o dobro em uma vaquinha na internet.

– Por isqueiro, trans sofre agressão física, descaso policial e deboche em hospital

– Alunos da UFF criam jogos para idosos exercitarem a mente

– OAB impede inscrições de quem cometeu violência contra mulher, idoso ou criança

A polícia aguarda a apresentação espontânea dos agressores

A meta de R$ 10 mil foi ultrapassada em menos de três horas. A corrente solidária arrecadou até aqui mais de R$ 24 mil reais. Assim, a senhora vai conseguir pagar o aluguel e contribuir para o INSS, já que ainda não conseguiu se aposentar.

O caso aconteceu no sábado (15). Marina Izidora vendia seus balões quando foi surpreendida por um casal em uma Mercedes-Benz. Eles pediram um balão de graça, com a negativa, a vendedora – que estava presa por uma corda -, acabou arrastada por 100 metros.

Investigadores da 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro) dizem ter identificado o empresário dono de veículo aguardam apresentação espontânea. Por não ter certeza de quem estava conduzindo o carro, a polícia optou por manter os nomes em sigilo.

Quer ajudar? Acesse o link para a vaquinha virtual.

Publicidade

Foto: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Mãe perde guarda de filho por morar no subúrbio do Rio: ‘Menino precisa de exemplo paterno’