Debate

38% das meninas de 4 anos estão insatisfeitas com seus corpos

por: Redação Hypeness

Merissa Forsyth, fundadora da organização australiana Pretty Foundation, que busca promover a autoestima em meninas de 2 a 6 anos, aponta dados preocupantes. Segundo ela, 38% das meninas de 4 anos se sentem insatisfeitas com seus corpos.

Durante uma entrevista com a apresentadora Shevonne Hunt, do podcast para pais Feed Play Love, Merissa afirmou ainda que 34% das meninas de 5 anos pretendem fazer dieta. De acordo com ela, nessa fase as crianças estão percebendo o que é valorizado pelos outros e sendo influenciadas de diversas maneiras, que vão desde os brinquedos que utilizam até o contato com familiares.

Um estudo realizado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e citado pela Revista Crescer traz uma perspectiva brasileira deste fenômeno. Segundo a pesquisa, 82% das crianças entre 8 e 10 anos desejavam uma silhueta diferente da sua. Essa vontade vinha frequentemente associada à baixa autoestima e à sensação de que pais e amigos gostariam que a criança fosse mais magra.

A situação parece se repetir em outros lugares do mundo. Um estudo feito pela organização britânica Girlguiding aponta que um quarto das meninas entre os 7 e os 10 anos já se sentem pressionadas a ter um corpo “perfeito” e 15% delas se sentem envergonhadas em relação à sua aparência. Elas também afirmaram que as mulheres eram julgadas mais pela sua aparência do que pelas suas habilidadesVamos mudar estes números? 

Leia também: Mãe experimenta biquíni com a filha e escreve post poderoso sobre o exemplo que damos para as crianças

Publicidade

Fotos: Reprodução Facebook/Pretty Foundation


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Universidade onde racista evitou professora formou 12 negros em turma de medicina