Ciência

Brasileiros confiam mais em líderes religiosos do que em cientistas

por: Redação Hypeness

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações elaborou em parceria com o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), uma pesquisa mostrando que brasileiros confiam mais em líderes religiosos do que em cientistas. 

“Quais os impactos que a pesquisa científica traz para a sua vida e para a do restante dos brasileiros?, foi essa a pergunta do CGEE responsável por constatar distanciamento entre ciência e grande parte da população. 

– Jovens protestam e entregam kafta a Ministro da Educação no Pará

A população não conseguiu citar o nome de nenhum cientista

Os resultados mostram que 31% dos entrevistados enxergam apenas benefícios na ciência. Queda expressiva, se comparada com os 54% de 2015. A construção de uma imagem negativa da ciência, incentivada pela ascensão de representantes da extrema-direita, reflete nos 42% que constatam malefícios no campo. Em 2015 eram 19%. 

Outro dado preocupante, 90% dos brasileiros não conseguiram citar o nome de um cientista e 88% não souberam apontar campos de pesquisa no país. Foram ouvidas 2,2 mil pessoas com mais de 16 anos, de todas as regiões. 

A 5ª edição do estudo ‘Percepção Pública da C&T no Brasil’ teve resultados divulgados na segunda-feira (22), em sessão da 71ª ‘Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência’ (SBPC). A margem de erro é de 2,2%. 

Religião 

Em contrapartida, líderes religiosos ganham destaque nos pensamentos dos entrevistados. 15% dos ouvidos se lembram do nome de pelo menos uma liderança. 

– Desmatamento na Amazônia cresce 60% e especialistas temem ‘efeito Bolsonaro 

Para os autores, entretanto, os cientistas podem comemorar, já que não estão entre as fontes não confiáveis. O campo abriga políticos (72%), jornalistas (6%) e líderes religiosos, artistas e militares (4%).

O próprio presidente da República tem o hábito de questionar estudos científicos com resultados negativos para o governo federal. Na semana passada, Jair Bolsonaro entrou em rota de colisão com o presidente e diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). 

Embora em crescendo, líderes religiosos estão entre os não confiáveis

O político torceu o nariz com a divulgação de que o desmatamento na Amazônia aumentou 88% em comparação com 2018. Para Bolsonaro, os dados não são verdadeiros e prejudicam a imagem do Brasil no exterior. 

– Record é condenada por racismo e terá de transmitir programas sobre religiões de matrizes africanas

“A questão ambiental, o mundo todo leva em conta. Outros países que estamos negociando a questão do Mercosul, ou até acordos bilaterais, nos dificulta com a divulgação desses dados. Temos que ter responsabilidade”, declarou o presidente aos jornalistas. 

Ricardo Galvão, diretor e presidente do Inpe, reafirmou dados sobre desmatamento e garantiu que não deixará o cargo. 

“Principalmente quando ele tem essas entrevistas com a imprensa ou mesmo em outras manifestações, ele tem um comportamento como se estivesse em botequim. Ou seja, ele fez acusações indevidas a pessoas do mais alto nível da ciência brasileira, não estou dizendo só eu, mas muitas outras pessoas. Isso é uma piada de um garoto de 14 anos que não cabe a um presidente da República fazer”, declarou ao G1. 

Publicidade

Fotos: foto 1: EBC/foto 2: Divulgação


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Planeta gigante é descoberto e ele está ‘evaporando’