Debate

Companhia aérea italiana Alitalia usa blackface para interpretar Obama em propaganda

por: Vitor Paiva

Apesar das milhares de denúncias, reportagens e dos tantos debates a respeito de práticas racistas, algumas empresas insistem em comete-las, aparentemente pela ignóbil ideia de que toda publicidade – mesmo a ruim – vale a pena. Parece ser o caso da Alitalia, companhia aérea italiana, que recentemente lançou um vídeo no qual um ator vive o presidente dos EUA, Barack Obama. O nada discreto problema da interpretação é o fato do ator originalmente ser branco, e utilizar a famigerada “black face” para interpretar Obama.

Trata-se da prática ancestral e pesadamente racista de pintar o rosto de atores brancos para interpretarem personagens negros. O vídeo da Alitalia é um dos anúncios para outras línguas do voo direto de Roma para Washington que a companhia acaba de lançar. Os presidentes George Washington e Abraham Lincoln também aparecem interpretados no vídeo, sob a hashtag #WhereIsWashington (Onde é Washington?), mas, claro, somente Obama é uma pessoa negra vivida no vídeo por um ator branco – e com o rosto pintado.

Rapidamente os comentários no vídeo acusaram a companhia de racismo, e avaliaram a propaganda como “ofensiva” e “nojenta”. Em pouco tempo a Alitalia se pronunciou através de uma nota, na qual pediu desculpas e afirmou que retiraria o vídeo do ar em todas as suas redes sociais. “Alitalia pede profundas desculpas pelas ofensas causadas pelo vídeo promocional de nossa nova rota para Wahisngton”, diz a nota. “Para nossa empresa, respeito por todos é mandatório, nunca foi nossa intenção ferir ninguém, e vamos aprender com o ocorrido”.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Tá todo mundo louco? Para Jout Jout, a vida millennial é ‘uma cambalhota infinita’