Sustentabilidade

Ford recicla 1,2 bilhão de garrafas PET por ano. E faz deles tapetes de carros

por: Vitor Paiva

Enquanto anualmente cerca de 526 bilhões de garrafas plásticas são compradas por todo o planeta – com a maioria sendo descartada de forma ecologicamente irregular, em aterros, rios e mares – as mais variadas indústrias seguem utilizando plástico ou outros materiais poluentes para suas produções. Para tentar equilibrar esse destrutivo processo, a Ford decidiu por utilizar o máximo possível de plástico reciclado para fabricar peças em seus veículos vendidos.

A proporção do uso dá uma dimensão não só de como as empresas podem fazer diferença em suas produções, como também do quanto de material potencialmente poluente é utilizado nos mais variados produtos que consumimos: cada EcoSport vendido pela Ford traz hoje o equivalente a 470 garrafas plásticas recicladas na forma de tapetes e carpetes.

Desde 2012, quando a nova geração do carro foi lançada, mais de 650 milhões de garrafas foram recicladas e reaproveitadas para esse fim. São cerca de 8 mil toneladas de material reciclado, o suficiente para duas voltas completas ao redor do planeta.

Anualmente a Ford recicla cerca de 1,2 bilhão de garrafas PET – no Brasil, todos os automóveis da marca utilizam PET reciclado em seus tapetes. “A sustentabilidade é um dos pilares do sistema de desenvolvimento de produto da Ford. Por isso, em todos os projetos de veículos aplicamos a filosofia dos 4R para reduzir, reutilizar, reciclar e repensar o consumo de materiais e insumos, pesquisando novas tecnologias e processos”, disse Cristiane Gonçalves, supervisora de Engenharia de Materiais da Ford América do Sul. Que a tomada de consciência da gigante dos automóveis estadunidense se dê em todas as esferas de sua produção e na emissão de gases poluentes – e que a Ford sirva como um exemplo mandatório para outras empresas do ramo.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Chapada Diamantina a um passo de entrar em lista seleta de parques da Unesco