Inspiração

Mangueira terá como tema em 2020 a volta de Jesus em um mundo intolerante

por: Vitor Paiva

O carnavalesco Leandro Vieira, nome por trás dos últimos dois títulos da escola de samba Estação Primeira de Mangueira e que defende a verde-e-rosa desde 2016, não foge de controvérsias nem da política para levar a verdade para a avenida no desfile de carnaval do Rio de Janeiro. Depois de levar o título de 2019 com o enredo “História pra ninar gente grande” que, entre outros, homenageou Marielle Franco, vereadora assassinada no Rio de Janeiro em 2018 junto com o motorista Anderson Gomes, para o ano que vem Leandro decidiu levar para Sapucaí um personagem que deveria remeter somente ao amor e ao perdão: Jesus Cristo.

Intitulado “A Verdade Vos Fará Livre”, o carnaval da Mangueira de 2020 trará não a história do Jesus bíblico e seu martírio, mas sim uma indagação sobre como seria a volta do Cristo hoje, em um contexto de tanta intolerância, preconceito, violência e perseguição.

“Nasceu pobre e sua pele nunca foi tão branca quanto sugere sua imagem mais popular. Sem posses e mais retinto do que lhe foi apresentado, andou ao lado daqueles que a sociedade virou as costas oferecendo-lhes sua face mais amorosa e desprovida de intolerância. Sábio, separou o joio do trigo, semeou terrenos férteis e jamais deixou uma ovelha sequer para trás”, diz o texto de apresentação do enredo.

Na licença poética do desfile, a origem pobre de Jesus terá como cenário o morro da Mangueira, para tratar de temas como respeito, diferenças, questões de raça e gênero, lembrando do que Jesus efetivamente pregava: o amor irrestrito, o perdão e a tolerância como únicos caminhos.

Leandro afirma que sabe que a escolha do enredo trará debates e polêmicas, mas o carnavalesco tem certeza de que o desfile tem também a função de levantar reflexões e mesmo de educar – e por isso escolheu aquilo que considera a mais forte lição possível: o amor.

Veja a letra do samba da Mangueira:

Mangueira
Samba que o samba é uma reza
Se alguém por acaso despreza
Teme a força que ele tem
Mangueira

Vão te inventar mil pecados
Mas eu estou do seu lado
E do lado do samba também
Eu sou da Estação Primeira de Nazaré
Rosto negro, sangue índio, corpo de mulher
Moleque pelintra do Buraco Quente
Meu nome é Jesus da Gente
Nasci de peito aberto, de punho cerrado
Meu pai carpinteiro desempregado
Minha mãe é Maria das Dores Brasil
Enxugo o suor de quem desce e sobe ladeira
Me encontro no amor que não encontra fronteira
Procura por mim nas fileiras contra a opressão
E no olhar da porta-bandeira pro seu pavilhão
Eu tô que tô dependurado
Em cordéis e corcovados

Mas será que todo povo entendeu o meu recado?
Porque de novo cravejaram o meu corpo
Os profetas da intolerância
Sem saber que a esperança
Brilha mais que a escuridão
Favela, pega a visão
Não tem futuro sem partilha
Nem Messias de arma na mão
Favela, pega a visão
Eu faço fé na minha gente
Que é semente do seu chão
Do céu deu pra ouvir

O desabafo sincopado da cidade
Quarei tambor, da cruz fiz esplendor
E num domingo verde-e-rosa
Ressurgi pro cordão da liberdade

Publicidade

© fotos: divulgação/reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
A história do goleiro que montou time de padeiros e venceu nazistas na 2ª Guerra