Debate

Masculinidade frágil: ele processou uma cervejaria por ‘fazê-lo’ comprar cerveja rosa

por: Redação Hypeness

Em março de 2018, a cervejaria escocesa BrewDog, decidiu trocar o selo azul da popular Punk IPA por um rosa, mudando temporariamente o nome para Pink IPA. A ação surgiu com o intuito de parodiar as campanhas publicitárias que usam este tipo de apelo para atrair mulheres. O que eles não esperavam é que um homem moveria um processo legal contra a empresa, alegando que foi forçado a se identificar como mulher.

cerveja rosa 1

Oferecendo um desconto de 20% na cerveja Pink IPA para as pessoas do gênero feminino, o objetivo da marca era justamente abrir uma discussão sobre a questão da disparidade salarial. Entretanto, o galês Thomas Bower – de 27 anos, queria o desconto mesmo não se identificando como mulher. Depois de uns minutos de discussão, para pagar uma libra a menos, ele se viu “obrigado” a dizer que se identificava como gênero feminino.

cerveja rosa 2

Por não concordar com o ponto de vista da cervejaria, Bower decidiu processá-los, alegando discriminação sexual. Se uma a cor do rótulo de uma garrafa é o que identifica o gênero de uma pessoa, então definitivamente nós precisamos conversar sobre teoria do gênero, ou quem sabe das cores?


Por mais bizarro que este caso pareça, o juiz ficou ao lado do homem de masculinidade frágil, que ganhou 1000 libras com esta história: Na minha opinião, é claro que, neste caso, o requerente foi diretamente discriminado pelo réu por causa de seu sexo”, disse o juiz Marshall Phillips durante a decisão.

cerveja rosa 3

Publicidade

Fotos 1 e 2: divulgação

Foto 3: Unsplash


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
George Floyd: o missionário cristão morto por um policial branco e que perdeu o emprego na pandemia