Sustentabilidade

Ministra diz que faltava ‘boa vontade’ da Anvisa para liberar agrotóxicos

por: Redação Hypeness

Na semana em que liberou o registro de mais 51 agrotóxicos, a ministra da Agricultura disse à TV Morena, do Mato Grosso do Sul, que a Anvisa “não tinha boa vontade” para aprovar pesticidas. 

– Em menos de 6 meses, 239 novos agrotóxicos são liberados pelo governo Bolsonaro

Tereza Cristina culpou a “falta de pessoal” para o ritmo moroso adotado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária em gestões passadas. Com as novas entradas de segunda-feira (22), o Brasil bateu recorde histórico de 262 agrotóxicos em sete meses

Gestão de Tereza Cristina aprovou mais de 200 agrotóxicos em 2019

O pacote conta com sete produtos formulados, ou seja, o agricultor pode comprá-los em lojas de insumos agrícolas. 

–  Paola Carosella é alvo de xenofobia após criticar liberação de agrotóxicos

“O que houve é que no passado a Anvisa tinha falta de pessoal e também não tinha boa vontade em liberar esses produtos. O que nós estamos liberando hoje, a grande maioria, eu digo, mais de 90%, são produtos que já estão no mercado, mas com as moléculas das empresas principais”, declarou Tereza Cristina à TV Morena. 

– Bicarbonato de sódio pode te salvar de agrotóxicos? Especialistas analisam estudo dos EUA

Segundo a ministra, antes da comercialização, os agrotóxicos passam pelo crivo de três instituições, o Ministério da Agricultura, do Meio Ambiente e a Anvisa. Ela citou também uma mudança na análise dos produtos pela Anvisa. 

A Agência não usará mais o critério ‘perigo’, rígido demais, segundo Tereza Cristina, substituído pelo termo ‘risco’.

Publicidade

Foto: Wilson Dias/EBC


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Nasa: Terra está ‘mais verde’ do que há 20 anos. Mas não há o que celebrar