Debate

Na ONU, Brasil vota com Arábia Saudita e outras ditaduras contra direitos humanos

por: Redação Hypeness

O Brasil se alinhou aos regimes autoritários de países como a Arábia Saudita e Paquistão durante votações sobre direitos sexuais de mulheres no órgão de Direitos Humanos mais importante das Organização das Nações Unidas (ONU). 

Na contramão de democracias europeias o Brasil, que tenta reeleição no conselho, sequer votou em resolução que pede a abertura de investigação sobre execuções extrajudiciais realizadas nas Filipinas em nome da “guerra às drogas”. 

– Para ministra Damares, Frozen é lésbica: ‘Vive sozinha em seu castelo de gelo’

– Desmatamento na Amazônia cresce 60% e especialistas temem ‘efeito Bolsonaro’

Bolsonaro: “todo o mundo nasceu do homem e da mulher”

O governo federal acompanhou ainda a ditadura militar do Egito e o Iraque em texto sobre “direito à saúde sexual e reprodutiva”. O país concordou com proposta do Paquistão de eliminar a educação sexual de resolução da ONU.

A candidatura brasileira à reeleição no Conselho de Segurança de Direitos Humanos da ONU revê acordos históricos de mais de 25 anos. O país retirou menções à desigualdade, LGBTs, tortura e gênero, ao passo que citou nove vezes a “promoção da família”. 

Segundo o blog do jornalista Jamil Chade no UOL, o governo federal se defende e diz que o termo gênero não está na constituição. A pressão da bancada evangélica é citada como decisiva para a postura ultraconservadora

Ideologia de gênero 

Falando sobre as propostas do Brasil no Conselho de Direitos Humanos da ONU, Bolsonaro disse que o país vai lutar para abolir a chamada “ideologia de gênero”. O político defendeu os termos ‘pai’ e ‘mãe’ e completou, “todo o mundo nasceu do homem e da mulher”.

O presidente esteve com o embaixador da Arábia Saudita no Brasil

– Por que a sexualidade das pessoas com deficiência ainda é tabu

– 6 frases da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos que poderiam estar em ‘Handmaid’s Tale’

“Nossa bandeira lá será, logicamente, voltada para a família e (a de) abortar de vez a questão da ideologia de gênero”, salientou em transmissão ao vivo nas redes sociais. 

São duas vagas abertas e o Brasil deve integrar o conselho ao lado da Venezuela. As eleições acontecem em outubro. 

Publicidade

Fotos: EBC


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Jovem de 22 anos morre em SP após explosão de churrasqueira; saiba como evitar