Diversidade

‘Não preciso disso’: Idris Elba desistiu de ser o James Bond por conta do racismo

por: Redação Hypeness

Idris Elba é uma das grandes estrelas do cinema internacional no século 21. Pelo estilo, competência e simpatia, o britânico se tornou um dos favoritos para se tornar o primeiro negro a interpretar James Bond nos cinemas. 

– Casamento de Idris Elba e Sabrina Dowhre redefine o luxo e o empoderamento

– Enquanto não vive James Bond, Idris Elba é cotado para interpretar X-Men

O homem mais ‘cool’ de Hollywood

Desistiu por causa do racismo. “Não preciso disso”, disse ele que revelou desapontamento com comentários racistas. 

Em entrevista à Vanity Fair, Elba declarou que nunca manifestou interesse em viver 007, mas que aceitaria um provável convite. “Você fica com o coração partido quando vê pessoas dizendo: ‘Não é possível’. Por causa da cor da minha pele, claro”. 

A conversa está disponível na edição de agosto da revista. Idris adicionou que “e se eu aceitar e não der certo? Seria pela cor da minha pele? É uma posição complicada de se colocar. E eu não preciso disso”. 

“James Bond é um personagem icônico. Ele move as pessoas. Claro que se alguém me propusesse, ‘você quer ser James Bond’? Eu diria que sim. É fascinante pra mim. Mas não é um desejo. Eu não penso em ser o James Bond negro”, concluiu. 

“Eu não penso em ser um James Bond negro”

– Idris Elba sobre feminismo no cinema: ‘Só é difícil para homens que escondem algo’

– A eleição de Idris Elba como homem mais sexy do mundo é a melhor notícia do dia

O homem mais estiloso de Hollywood 

Idris Elba tem 46 anos e a Vanity Fair destaca em sua capa a onipresença do artista. O britânico goza de prestígio na TV e atacou de DJ na edição passada do renomado Coachella. 

Elba é um dos artistas mais requisitados do momento

“Multidisciplinar, engajado. O que Idris Elba quer fazer agora? E o que queremos dele?”, questiona a publicação. 

Filho de imigrantes de Gana e Serra Leoa, Idrissa Akuna Elba cresceu no bairro suburbano do Hackney, em Londres e faz questão de exaltar e lutas por suas raízes. Por isso, não poupa críticas ao racismo e a falta de oportunidades para artistas negros. 

“Existem muitos artistas e performers negros neste país. Os britânicos amam reggae porque a maioria dos imigrantes instalados aqui são do Caribe. Mas, ainda somos poucos em termos de dramaturgia”, reflete.

Publicidade

Fotos: Collier Schorr/Vanity Fair/Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Mulher se veste como celebridades para mostrar que você não precisa ser magra para ser feliz