Cobertura Hypeness

Vodka, bons preços e hospitalidade: por que a Polônia deve ser seu próximo destino

por: Redação Hypeness

Uma pesquisa feita pelo Booking.com não deixa mentir: a Europa é o destino preferido dos latinos americanos e dos brasileiros. Mas, quando se fala de Europa, geralmente pensamos nos lugares mais clássicos como França, Itália ou Espanha. Aqui no Hypeness a gente ama inovação e criatividade, então vamos te levar por uma viagem nada clássica, porém igualmente incrível: a Polônia.

Quando o convite da Wyborowa Vodka, da Pernod Ricard, chegou na nossa caixa de email, corações saíram pela boca. A ideia de conhecer um pouco mais da cultura deste lugar distante e recheado de histórias, mas ainda assim desconhecido por tantos, era uma oportunidade perfeita.

Já na preparação da viagem, a Polônia surpreendeu antes mesmo de chegarmos lá. Primeiro passo: trocar o dinheiro. Pense num câmbio amigo? O zloty é a moeda oficial do país que optou por não usar o Euro quando entrou na União Européia. Em junho de 2019 o câmbio estava quase 1 pra 1, perfeito para quem não quer passar a vida toda juntando dinheiro para fazer uma viagem. Além disso, os preços no geral são mais baratos que no Brasil, principalmente se você mora em grandes cidades, como São Paulo e Rio de Janeiro.

Dicas essenciais

Apesar do Polonês ser considerado um dos idiomas mais difíceis do mundo, não saber falar a língua local está longe de ser um impeditivo para a visita. Os poloneses mais jovens em geral falam inglês e em todas as áreas turísticas os profissionais estão preparados para se comunicar com estrangeiros. Além do mais, são todos muito simpáticos e tentam ajudar de todas as formas.

Uma dica que vale para qualquer lugar é aprender a dizer pelo menos bom dia, por favor e obrigada – afinal é uma gentileza que as pessoas falem outro idioma e você retribui com simpatia.

Por contar também com um sistema ferroviário muito bom, se locomover pelo país é fácil, rápido e relativamente barato. Agora, se você quer mesmo economizar, vá de ônibus. O flixbus é uma das opções mais baratas e uma viagem entre Vársovia e Crácovia, por exemplo, sai por aproximadamente R$40. Só não esqueça de validar o bilhete dentro do próprio ônibus.

Além da parte financeira, a organização do país é um fator importante na hora de passear por lá. Como tudo funciona perfeitamente, é muito mais fácil se planejar e de fato viajar. A variedade de trens é imensa, fora as companhias aéreas mais baratinhas, como a Ryanair, e a opção do Blablacar para viagens de carro.

Mesmo que você não seja um grande fã de museus e monumentos, passar pela Polônia pede um olhar para a história, ainda mais em tempos de retrocessos políticos. E, sim, são passeios necessários e dolorosos de se fazer.

O mais importante é o Memorial e Museu de Auschwitz-Birkenau, que inclui os campos de concentração nazistas de Auschwitz. O espaço hoje é dedicado à memória das vítimas da Segunda Guerra Mundial, quando os poloneses judeus foram especialmente perseguidos. É lembrar para não deixar que se repita.

Tosty!

Se os outros motivos não forem suficientes, agora tem o melhor deles: a hospitalidade. Um país é, além de fronteiras e histórias, seu povo. Impossível não se sentir bem-vindo por lá. A hospitalidade polonesa é tanta que foi o centro dessa experiência e também o convite da Wyborowa Vodka para os consumidores mundo afora.

O diretor da marca Mark Thorne comentou que a cultura polonesa é uma cultura de celebração. “Quando eu vejo a cultura da vodka polonesa, ela é toda sobre juntar as pessoas. A Wyborowa, que está com 91 anos, leva as pessoas ao redor da mesa. Família, amigos e celebrações. Esse conceito das pessoas juntas, aproveitando a famílias, aproveitando os amigos é muito parecido com o que temos no Brasil”, disse.

Um passeio que vale especialmente a pena é o Museu da Vodka. Localizado numa antiga fabrica de vodka do século XIX, o espaço conta sobre a história de 500 anos do mais destilado polonês. Além disso, é uma oportunidade para conhecer a evolução de sua tecnologia de produção, tradições e costumes – fora a degustação, é claro!

Caminhe pelas cinco galerias interativas e descubra onde as primeiras destilarias foram criadas na Polônia, quanto um copo de vodka valia, como o licor era consumido em casas polonesas e de onde vinham esses costumes relacionados à bebida. Tem espaço ainda para fazer sua própria receita e aprender sobre o equipamento de destilação.

O ponto alto da visita é a degustação na Academia Vodka. Sob a supervisão de um especialista – isso é maturidade, minha gente! – você pode comparar os sabores de vodkas de centeio, que são as mais tradicionais, de trigo e de batatas. Há também um restaurante, um bar que serve bebidas à base de vodka polonesa e um bistrô 24 horas.

As excursões saem a cada 20 minutos e são feitas em inglês, francês, alemão, russo e espanhol para reservas feitas com antecedência. Menores de 18 anos estão autorizados a visitar desde que acompanhados por um adulto. Aliás, todo esse papo nos lembra um fator importante: é proibido beber na rua por lá, então deixe suas degustações para ambientes fechados ou embarque num PubCrawl.

Publicidade

Fotos: Ellen Miranda


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Bali tem projeto de lei para proibir sexo antes do casamento até para turistas