Ciência

Cientista prepara pão com fermento de 4,5 mil anos e o sabor é fenomenal

por: Gabriela Glette

Pão. O alimento mais antigo do mundo. Os primeiros apareceram na Mesopotâmia há milhares de anos, quando a sedentarização das vidas levou ao cultivo dos cereais. Presente em nossas vidas desde sempre, o que nunca iríamos imaginar é que um fermento de 4,5 mil anos seria útil para assar um delicioso pão hoje. O responsável foi o cientista Seamus Blackley, que curiosamente também inventou o console Xbox.

fermento 4,5 mil anos 1

Grande apaixonado por panificação, ele coletou amostras de leveduras antigas dentro de uma cerâmica egípcia de 4,5 mil anos de idade. Porém, ao invés de jogar o conteúdo fora e guardar apenas a peça de cerâmica, ele decidiu fazer a experiência mais ousada de sua vida. E não é que deu certo?

fermento 4,5 mil anos 2

Depois de misturá-lo com cevada moída e farinha de Einkorn, o fermento milenar estava pronto para ser usado: “O aroma e o sabor são incríveis. Estou tão impressionado que funcionou!”. Agora, o próximo passo dele e sua equipe é fabricar cerveja com este mesmo fermento. E, se tudo der certo, esta será a cerveja mais antiga do mundo!

fermento 4,5 mil anos 3

fermento 4,5 mil anos 4

fermento 4,5 mil anos 5

fermento 4,5 mil anos 6

fermento 4,5 mil anos 7

fermento 4,5 mil anos 8

fermento 4,5 mil anos 9

fermento 4,5 mil anos 10

fermento 4,5 mil anos 11

fermento 4,5 mil anos 12

fermento 4,5 mil anos 13

fermento 4,5 mil anos 14

Publicidade

Fotos: Seamus Blackley


Gabriela Glette
Uma jornalista e produtora de conteúdo que mora na França. Apaixonada por viagens e inquieta por natureza, ela encontrou no nomadismo digital o segredo de sua felicidade, e transforma a saudade que sente da família e amigos em combustível para escrever suas histórias. Gabriela também é fundadora do site Quokka Mag, onde fala apenas sobre coisas boas!

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Duas ‘superterras’ foram descobertas por cientistas próximas ao sistema solar