Debate

É oficial: Ebola agora é curável; entenda como funciona o novo tratamento

por: Redação Hypeness

O Ebola não pode mais ser definido como uma doença sem cura. A afirmação é de Jean-Jacques Muyembe, diretor-geral do Institut National de Recherche Biomedical, que fica na República Democrática do Congo. 

Jean-Jacques fez parte de um time que conduziu dois tratamentos experimentais com novas drogas. O aumento na taxa de sobrevivência dos pacientes é considerada uma vitória na luta contra o Ebola e abre caminho para uma vacina contra a doença responsável pela morte de milhares de pessoas. 

As chances de cura chegaram aos 90%

Os infectados têm agora por volta de 90% de chances de cura, um alento depois dos resultados insatisfatórios de outras duas drogas, o ZMapp – utilizado durante a epidemia de Ebola em Serra Leoa, Libéria e Guiné –  e o Remdesivir. Desta vez, os pesquisadores optaram o REGN-EB3 e o mab114, que atacaram o vírus junto aos anticorpos. Com isso, neutralizaram seu poder de infecção nos humanos. 

Mais balbúrdia: UFRJ descobre vírus mayaro, ‘primo’ do chicungunha

“Daqui pra frente, não diremos mais que o Ebola é incurável”, declarou o professor Jean-Jacques Muyembe. “Esse avanço vai ajudar na preservação de milhares de vidas”, completou. 

A esperança agora é de desenvolver uma vacina contra o vírus

Contra o medo

O alto índice de cura, segundo cientistas e professores, auxilia no combate ao medo das pessoas em buscarem tratamento. Muyembe disse ao The Guardian que muitos viam parentes morrerem em centros de tratamento contra o Ebola. 

“Agora, 90% dos pacientes podem ir aos centros e saírem completamente curados. Eles vão começar a acreditar e a confiança se espalhará nas comunidades”, ressaltou. 

O Ebola matou milhares de pessoas, sobretudo no Congo

Anthony Fauci, diretor do NIAID, afirmou que a taxa de mortalidade com o ZMapp foi de 49%. Já com o Remdesivir, de 53%. O REGN-EB3 e o mab114 registraram 29% e 34%, respectivamente. 

Em pessoas tratadas logo no início da doença, os resultados atingiram níveis animadores. A taxa de morte com o REGN-EB3 ficou em 6% e nos 11% com o mab114.

“Quanto mais aprendemos sobre estes dois tratamentos e como eles podem atuar no serviço de saúde pública, mais perto estamos de transformar o Ebola de uma doença terrível para algo passível de prevenção e tratamento”, destacou o doutor Jeremy Farrar, diretor do Wellcome.

Publicidade

Fotos: foto 1: JC Wenga/Anadolu Agency via Getty Images/foto 2: C Wenga/Anadolu Agency via Getty Images/foto 3: Sally Hayden/SOPA Images/LightRocket via Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Tá todo mundo louco? Para Jout Jout, a vida millennial é ‘uma cambalhota infinita’