Ciência

Júpiter colidiu com um planeta menor e o engoliu, aponta estudo

por: Vitor Paiva

Quando olhamos para o céu estrelado à noite, a distância e a beleza do cenário nos oferece a impressão de que o universo permanece em um confortável marasmo, com os planetas, corpos celestes e galáxias pacificamente em seus lugares. A realidade, porém, não poderia ser mais diversa – e o universo se move em caótica animação. É o que comprova um novo estudo da Universidade de Rice, nos EUA, em parceria com a Universidade Sun Yat-sem, da China, que sugere que o planeta Júpiter colidiu com um planeta embrionário – e o engoliu.

Não, isso não aconteceu na semana que passou, mas sim há 4,5 bilhões de anos, no início do sistema solar – mas como o tempo é relativo, ainda mais na perspectiva do universo, trata-se sim de uma novidade. O estudo explica uma outra descoberta, realizada pela sonda Juno, da NASA – que, através de diversas medições na órbita de Jupiter, concluiu que o núcleo do planeta é menos denso e mais estendido do que se esperava a ciência. A resposta seria justamente essa colisão, que misturou o núcleo denso do planeta com as camadas acima, menos densas – e essa resposta é suportada por cálculos feitos pelo estudo.

Representação da sonda Juno próxima a Júpiter

A colisão teria ocorrido por conta do forte campo gravitacional do planeta, diluindo o núcleo super denso do início do planeta, como uma rocha ou um congelado que depois alcançou sua atmosfera grossa a partir da poeira e do gás que deram origem ao sol. A descoberta podem ser aplicadas para outros planetas e ir além do nosso sistema solar. Um artigo a respeito do estudo foi publicado na revista Nature.

 

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Réptil que viveu antes dos dinossauros e se parece com calango é descoberto no Piauí