Sustentabilidade

RIP planeta: geleira que desapareceu ganha lápide com alerta na Islândia

por: Mari Dutra

A geleira de Okjökull, na Islândia, foi declarada como oficialmente derretida em 2014. Cinco anos depois de sua morte, ela ganhou uma lápide que alerta para as mudanças climáticas.

Há pouco mais de um século, a geleira apelidada de Ok ocupava cerca de 38 km² de gelo puro. Em agosto deste ano, ela possui menos de 1 km² e não pode mais ser considerada uma geleira. Ela foi a primeira da Islândia a passar por este processo.

Lápide foi colocada onde antes se localizava a geleira. Foto: Divulgação/Rice University

“Nos próximos 200 anos todas as nossas geleiras devem seguir o mesmo caminho. Esse monumento atesta que nós sabemos o que está acontecendo e o que deve ser feito. Só você sabe se nós o fizemos”, diz a placa colocada no local onde antes se encontrava Okjökull.

A lápide leva uma assinatura que indica a data de sua colocação (agosto de 2019) e a inscrição 415 ppm CO², em referência ao recorde de emissões de dióxido de carbono na atmosfera alcançado em maio deste ano. O CO² é apontado como um dos principais responsáveis pelo aquecimento global na atualidade.

À esquerda, vista aérea da geleira em 1986; à direita, a mesma geleira fotografada em agosto deste ano. Foto: Nasa/AP

De acordo com o G1, a placa teria sido idealizada graças a pesquisadores da Universidade Rice de Houston, nos Estados Unidos, ao escritor Andri Snær Magnason e ao especialista em geleiras Oddur Sigurðsson. Este último foi quem registrou a morte de Ok, ainda em 2014.

Publicidade

Créditos sob as imagens


Mari Dutra
Especialista em conteúdos digitais, Mariana vive na Espanha, de onde destila textos sobre turismo, sustentabilidade e outros mistérios da vida. Além de contribuir para o Hypeness desde 2014, também compartilha roteiros e reflexões mundo afora no blog e no Instagram do Quase Nômade.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
O Brasil já está se preparando para gerar energia elétrica com a força das marés