Diversidade

Simone e Simaria se recusam a citar Iemanjá ao cantar música do Natiruts

por: Redação Hypeness

A música ‘Quero Ser Feliz Também’ é um dos maiores sucessos do Natiruts. A canção conquistou não só pela melodia, mas pela letra, sobretudo o trecho que homenageia Iemanjá

– ‘Nosso Sagrado’: documentário pede liberação de itens afro-religiosos apreendidos pela polícia

Qual o sentido de cantá-la omitindo o trecho: ‘flores brancas, paz e Iemanjá’?. 

Tirando o racismo, nenhum. Simone e Simaria, que são evangélicas, preferiam interpretar a canção do grupo de reggae sem citar o orixá das águas salgadas. A atitude reforça o preconceito sofrido por religiões negras no Brasil.

Atitude que endossa o racismo sofrido pelas regiões negras do Brasil

O momento aconteceu durante participação das sertanejas no programa ‘Música Boa Ao Vivo’, exibido pelo Multishow. Ao lado de Iza, Gloria Groove, Matheus e Kauan, sem pestanejar, Simaria largou o microfone no trecho. Atitude seguida por Simone. 

– ‘Finjo mesmo, tô nem aí’: Simaria revela que simula orgasmos

Iemanjá é um dos orixás mais populares do Brasil. O dia 2 de fevereiro em Salvador é considerado uma das celebrações religiosas mais importantes do país. Entretanto, assim como acontece com o Candomblé, a popularidade não livra Iemanjá do racismo

Além de Simone e Simaria, Xanddy foi acusado de intolerância religiosa por omitir a palavra Candomblé em show no Rio de Janeiro. 

Segundo relato de Luana Xavier, que esteve na festa ‘Oxente’ comandada pelo vocalista do Harmonia do Samba, o cantor baiano não pronunciou a palavra a Candomblé em ‘Raiz de Todo o Bem’, famosa na voz de Saulo.

“Se por questões religiosas, morais ou seja lá o que for, ele não pode pronunciar a palavra ‘Candomblé’, então deveria tirar essa música do repertório. Simples assim”, escreveu nas redes sociais. 

A Festa de Iemanjá é patrimônio do país

– Em 7 anos, população que se autodeclara preta cresce 32% no Brasil

Xanddy respondeu, disse respeitar todas as crenças e chamou a atriz de irresponsável. 

“Fui acusado de ser intolerante religioso e exposto na internet, onde pessoas que não me conhecem intimamente, estão, infelizmente, reduzindo o meu caráter de forma irresponsável e tóxica”, escreveu. 

As feridas da intolerância religiosa 

Os casos de intolerância religiosa no Brasil crescem a cada momento. Dia sim e no outro também, pipoca a notícia de que um terreiro foi completamente destruído, um umbandista ou candomblecista agredido por causa da orientação religiosa. 

– De volta aos palcos, Simaria faz alerta para doença silenciosa

O Brasil, você sabe, é um Estado laico. A laicidade, no entanto, parece não ser respeitada e a barbárie come solta sem que autoridades façam alguma coisa. No mais, fiquemos com o trecho de ‘Baiana’, música do rapper Emicida. 

“Dois de Fevereiro, dia da Rainha

Que pra uns é branca, pra nóiz é pretinha”

Publicidade

Fotos: foto 1: Reprodução/Instagram/foto 2: Wikipédia


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Filósofa e ‘rainha’ do feminismo negro Angela Davis vem ao Brasil em outubro