Diversidade

Estreia de Maju no ‘Jornal Hoje’ faz lembrar outras mulheres negras de sucesso

por: Redação Hypeness


Cenário novo e frio na barriga, Maria Júlia Coutinho estreou elogiada no comando do ‘Jornal Hoje’. Nesta segunda-feira (30), a apresentadora comandou a primeira edição do jornal depois da saída de Sandra Annenberg

– Após faturar R$ 7 milhões com banco, Dony de Nuccio pede demissão da Globo

Dinâmico e sem bancada, o ‘Jornal Hoje’ aposta na versatilidade de Maju, que apresentou as notícias de pé e interagiu com repórteres e comentaristas nas duas extremidades do estúdio. 

Maju deixou todo mundo encantado em estreia no ‘JH’

“Estou muito feliz por estar aqui nesse novo desafio da minha carreira. Conto com vocês e vamo que vamo”, celebrou antes da primeira reportagem. 

A repercussão nas redes sociais foi a melhor possível. Maria Julia Coutinho, que acumula passagens como responsável pela previsão do tempo no ‘SPTV’ e ‘Jornal Nacional’, recebeu elogios das pessoas que destacaram, claro, a competência da jornalista paulistana e o fato dela ser a primeira mulher negra desde Glória Maria à frente de um jornalístico da maior emissora do país.  

Comunicadoras negras

A ausência de representatividade é assunto desde o tempo em que a já citada Glória Maria era a única referência negra no jornalismo de TV. Os anos se sucederam, mas o cenário não se alterou muito. 

Apenas em 2019, o ‘Jornal Nacional’, há 50 anos no ar, teve sua primeira âncora negra. Justamente Maria Julia Coutinho, que celebrou o feito nas redes sociais. 


“A intensidade do que vivi nos últimos dias é tão imensurável que por enquanto só me resta agradecer todo o acolhimento que recebi. Talvez, um dia, depois de digerir tudo isso, eu deixe um textão aqui (risos)”

Rita Batista sempre trouxe marcadores negros junto de seu trabalho

A nova titular do ‘Jornal Hoje’ também fez história no ‘Fantástico. Maju, que cobriu férias de Poliana Abritta, se tornou, novamente, a primeira negra depois de Glória Maria no comando do dominical. 

O Hypeness conversou sobre representatividade na mídia com duas mulheres negras e jornalistas de Salvador. Rita Batista, atualmente na TVE, ressaltou a marca identitária que sempre fez questão de deixar. 

Maria Júlia Coutinho foi a primeira mulher negra em 50 anos no ‘JN’

“É resistência a todo o tempo. Sem perder a ternura. Enfim, eu apresentava telejornal com cabelo trançado. Fazia questão de fazer isso. Eu apresentei programa de televisão de torço na cabeça quando as pessoas não utilizavam torço do modo que utilizam hoje. As meninas inclusive. E fui muito criticada por isso. Muito, sabe?”, relembra Rita.

Cristiele França empunha o microfone da Rádio Metrópole para falar de Candomblé. Não só no programa ‘Mojubá’, apresentado por ela aos sábados, mas também em pílulas sobre o orixá do dia e outros assuntos relacionados com a religião negra. 

No rádio, Cristiele França atua contra o racismo religioso

“Eu já consigo me ver ao assistir um telejornal quando uma apresentadora negra está na bancada. Penso que muitas pessoas devem se identificar comigo, com meu jeito de falar ao ligar o rádio. No entanto, há 15 anos não era assim. Eu não tem lembrança de apresentadores negros, muito menos apresentando programas infantis. E se uma criança não se vê na TV, ela pode crescer achando que o bonito, o belo, é o que está na telinha. Graças a Deus e aos Orixás hoje isso já avançou, mas ainda temos um longo caminho a percorrer. Queria muito ligar a TV e ver uma “Xuxa” negra, de black ou de tranças, para ser referência para minha filha”. 

A internet pirou com Maria Júlia Coutinho; confira: 

1.

2.

3.

4.

5.

Publicidade

Fotos: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Maju Coutinho se emociona com capa, celebra representatividade e dá recado aos racistas