Criatividade

Ítalo ferreira vai do aeroporto direto para o mar, surfa de jeans e vence Mundial

por: Redação Hypeness


Ele desembarcou no Japão, foi direto para o mar e surfou de jeans. Ufa! Que jornada cumprida por Ítalo Ferreira. 

O roteiro intenso se deu por um problema quase fatal, o dono do sexto lugar no ranking do circuito mundial WSL teve o passaporte furtado dentro de um carro em Santa Mônica, nos Estados Unidos. 

Ítalo, que jornada!

“Fui roubado 4 dias atrás nos Estados Unidos. Na minha mochila, que eles levaram, tinha alguns pertences pessoais e o documento mais importante para uma pessoa que está viajando e nem sabe falar perfeitamente a língua local: o passaporte. Este era eu”, escreveu em relato no Instagram. 

– Kaitenzushis: os tecnológicos sushis de esteira express feitos por robôs no Japão

Para atravessar o mundo e competir no Japão, o brasileiro precisava de um passaporte novo e visto autorizando a viagem. Deu certo, mas com emoção, pois o trâmites se encerraram na terça-feira (10). Ele ainda enfrentou atrasos por causa da passagem de um furacão. 

“Fiquei 18 horas dentro do avião. Ou seja, eu não teria como chegar a tempo para a entrevista no consulado no Japão. Então remarquei para 8:30 do dia 10 de setembro, primeiro dia da competição, sem ter certeza de que o visto seria aprovado”.

A chegada foi digna das provas de triathlon. Ítalo chegou faltando 10 minutos para  o encerramento da bateria. Colocou a camiseta do ISA Games e pulou na água de shorts jeans mesmo. 

“Fui correndo para o Aeroporto de Tókio em busca do primeiro voo para a cidade onde eu iria competir. Minha bateria era a 6ª do Round 1, mas o evento atrasou 1 hora e isso me deu uma pequena chance de chegar a ‘tempo’”, recorda. 

Valeu a pena e o brasileiro surfou boas ondas, venceu o Mundial e ficou à frente de nomes como o argentino Leandro Usuña, que acumulou 12,60. Ítalo conseguiu 13,46 pontos. 

“Quando pousei no aeroporto, saí correndo: larguei as malas e fui direto para o carro do comitê brasileiro que estava a minha espera. Minha bateria já tinha começado e demoramos 10 minutos do aeroporto até a praia”.

View this post on Instagram

(Continuação nos comentários) Se você tiver um minuto, leia o texto abaixo e reflita comigo sobre tudo o que aconteceu nos últimos dias. Você pode transformar essa história em algo positivo pra sua vida. Fui roubado 4 dias atrás, nos Estados Unidos. Na minha mochila, que eles levaram, tinha alguns pertences pessoais e o documento mais importante para uma pessoa que está viajando e nem sabe falar perfeitamente a língua local: o passaporte. Este era eu. Sem saber pra onde ir, sendo que no mesmo dia eu tinha um voo marcado para o Japão 🇯🇵 para competir em um evento mundial essencial na busca por uma vaga nas olimpíadas de 2020, em Tokyo. No dia seguinte ao roubo, tive ajuda de algumas pessoas do Brasil, Estados Unidos e até mesmo do Japão. Tentaram me ajudar com um passaporte novo, um visto japonês e o mais difícil: o visto americano. Todas as informações diziam que o melhor era eu sair dos Estados Unidos para refazer tudo (marcar horário, agendar entrevista, etc) no consulado americano. Então saí dos Estados Unidos no dia 08 de setembro e embarquei para Tokyo, com entrevista marcada para o dia seguinte, 09. Parecia tudo normal, mas MEU VOO ATRASOU POR CAUSA DE UM FURACÃO – inclusive, fiquei 18 horas dentro do avião. Ou seja, eu não teria como chegar a tempo para a entrevista no consulado no Japão. Então remarquei para as 8:30 do dia 10 de setembro, primeiro dia da competição, sem ter certeza de que o visto seria aprovado. Eu estava confiante e feliz, mesmo depois de tudo, só por ter chegado até o Japão. O visto foi aprovado, deixei meu passporte no consulado americano e comecei mais uma missão. Fui correndo para o Aeroporto de Tókio em busca do primeiro voo para a cidade onde eu iria competir. Minha bateria era a 6ª do Round 1, mas o evento atrasou 1 hora e isso me deu uma pequena chance de chegar a “tempo”. Quando pousei no aeroporto, saí correndo: larguei as malas e fui direto para o carro do comitê brasileiro que estava a minha espera. Minha bateria já tinha começado e demoramos 10 minutos do aeroporto até a praia. CONTINUA NOS COMENTÁRIOS!

A post shared by Italo Ferreira (@italoferreira) on


Publicidade

Foto: Reprodução/Instagram


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Traiu ou não traiu? Dom Casmurro volta a bombar no Twitter em debate hilário