Criatividade

Novo energético com suco tem design inspirado na cultura mexicana

por: Redação Hypeness

Festejado no México no dia 2 de novembro, o “Dia de Los Muertos”, ou Dia dos Mortos, para o resto do mundo pode parecer um paradoxo: para celebrar os ancestrais falecidos, os mexicanos realizam uma de suas festas mais animadas. A festa tem comida, música e dança, e é também um dia de se fantasiar com caveiras, pinturas e decorar especialmente as casas, para receber os que já se foram mas que, segundo o folclore, viriam “visitar” seus entes amados. Assim, os grafismos típicos do Dia dos Mortos tornaram-se também uma marca do estilo do país, reproduzido em grafites, tatuagens e estampas celebrando a cultura mexicana por todo o mundo.

 Curiosamente, portanto, é um dia que mistura tradição, ancestralidade e até mesmo religião com arte, sabores e muita, muita animação: o Dia dos Mortos é uma festa especialmente cheia de energia. Quando foi preparar seu mais novo sabor de energético, a Monster Energy decidiu unir todas essas forças – tradição, sabor e energia – para fazer nascer o Monster Juice Mango Loco, que homenageia no tema de sua latinha justamente o estilo tradicional e tão icônico das maquiagens e fantasias dessa festa mexicana. As caveiras, as cores e texturas desse folclore trazem sentido especial às novas latinhas e ao novo sabor Mango Loco da Monster.

Marca líder nos EUA e em outros grandes mercados do mundo, o Monster Energy chegou ao Brasil em 2009 com suas três famílias: Green, em seu sabor original, Juice, que trazem um toque de suco, e Ultra, a linha mais leve e de zero açúcar, ideal para o treino. O lançamento do Monster Juice Mango Loco celebra, dessa forma, os 10 anos da marca por aqui, e a tradição que já construiu com o público brasileiro. O novo sabor situa-se na família Juice, aliando assim o gosto do suco de manga presente na receita à energia já conhecida das bebidas Monster.


Para a Monster é natural estar conectada com os esportes radicais, a cultura, a música e tanto mais. Essa é uma associação já reconhecida – para onde se olhe se vê a marca do energético incentivando esses eventos, além de pilotos, atletas e artistas, em um cardápio cultural tão variado quanto as opções de sabores e linhas de energéticos. E o novo Mango Loco também segue essa variedade, como a bebida perfeita não só para quando aquela energia extra é necessária, mas também para refeições e lanches – por ser muito mais gostoso que as fórmulas tradicionais de energéticos, ele combina o que pode haver de melhor nessas bebidas: energia com sabor especial.  


E a estampa da nova latinha inspirada no Dia dos Mortos mexicano traz também um pouco do grafite e até mesmo das tattoos para o universo da Monster. Como a manga é uma fruta também encontrada na culinária e nos hábitos mexicanos, a reunião dessa tradição entre os energéticos, da energia e do gosto especial do Mango Loco trouxe o México para o Brasil, assim como essa incrível celebração da ancestralidade, da vida, do estilo, e principalmente da energia e do sabor dessa festa que desde 2008 passou a ser reconhecida como Patrimônio Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

Logo, a hora de celebrar a alegria e o sabor da vida está chegando – no almoço, no jantar, no lanche, para praticar esportes, festejar ou simplesmente se deliciar. Pelo estilo de suas latinhas, pelo sabor especial sem abrir mão de seu poder energético, por se tratar de uma bebida que pode ser consumida a qualquer hora e em qualquer contexto ou mesmo refeição, o  Mango Loco é um produto único e inovador, sem igual no mercado. Se você está vivo, a hora é essa: abra uma latinha e recarregue suas energias. 

Publicidade

© fotos: divulgação


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Diálogos hilários provam que criatividade não tem fronteiras ou medo de ‘livros com muita coisa escrita’