Debate

Pode Piorar: economista que previu crise de 2008 está prevendo uma nova

por: Redação Hypeness

China, Alemanha, Estados Unidos e o Reino Unido ameaçado pelo Brexit aumentam temores de uma nova crise econômica provocada pela recessão das principais potências mundiais. 

– Desigualdade bate recorde no Brasil, aponta novo estudo da FGV

Nouriel Roubini é um economista norte-americano de 61 anos responsável por prever a crise mundial de 2008. Segundo o profissional nascido em Istambul, na Turquia, o mundo deve apertar os cintos para uma nova perda econômica de grandes proporções a partir de 2020. 

Donald Trump e o presidente chinês Xi Jinping

O economista cita a disputa econômica entre os Estados Unidos e China como um dos atenuantes. Na visão de Noriel, a tecnologia também exerce papel importante. Norte-americanos e chineses estão em pé de guerra para garantir o pioneirismo em ferramentas como o 5G

Trump contra Huawei 

O governo dos Estados Unidos acusou a China de trapacear e o resultado veio em forma de embargo – tática para impedir o ganho de mercado do país asiático. A primeira vítima da ofensiva norte-americana foi a Huawei. A gigante das telecomunicações ficou proibida de comprar tecnologia dos EUA. 

– Homem mais rico da China quer que empregados trabalhem 72 horas por semana

Além disso, a Casa Branca criou legislação que veta a assinatura de contratos entre agências do governo e a Huawei. Trump está preocupado com o crescimento da companhia, que no segundo trimestre vendeu mais celulares na China do que a Apple conseguiu comercializar no mundo todo. Resultado, alta de 23% no faturamento em comparação com o mesmo período do ano passado. 

Huawei sofreu embargos dos Estados Unidos

Economistas temem que a guerra comercial entre os dois países custe postos de trabalho. Só nos Estados Unidos, diz a Newsweek, 800 mil empregos podem ser perdidos. 

O mercado parece compartilhar da desconfiança, ainda mais se trarando de um presidente bastante ativo no Twitter. Foi na rede social que Donald Trump provocou calafrios em analistas financeiros ao sugerir que companhias dos EUA procurem “alternativas à China”. O índice Dow Jones fechou o dia com queda de mais de 620 pontos, 2,4%. 

O escritório Moody’s Analytics, que vê 35% de chances de aquecimento na guerra entre China e EUA, endossa o potencial de recessão na disputa. Trump já impôs mais de 540 bilhões em tarifas para a importação de produtos da China. 

De olho no 5G

O embargo à Huawei é visto como estratégia dos Estados Unidos para garantir o domínio da tecnologia 5G. Especialistas dizem que o movimento oferece hegemonia militar ao mesmo tempo que pode aumentar os temores de recessão. 

“Isso significa que, se a Huawei for realmente considerada uma ameaça à segurança nacional, o mesmo aconteceria com milhares de exportações chinesas. É fácil imaginar como essa situação pode levar a uma implosão em escala do sistema de comércio global”, escreveu Roubini em artigo. 

Líderes mundiais no G20

Os efeitos serão sentidos na economia brasileira, que depende do mercado internacional. O vice-presidente Hamilton Mourão admitiu que o país deve ser afetado. 

“Sabemos que ganhos de curto prazo para o Brasil, como o aumento da demanda por soja, podem ficar comprometidos pela redução global da atividade econômica ou pelo desequilíbrio dos mercados no mais longo prazo. A instabilidade política não contribui para o progresso econômico”, ressaltou em evento do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC).

Crise global de 2008 

A maior recessão do século mergulhou o mundo em caos econômico causado pela explosão da bolha de hipotecas no mercado imobiliário dos Estados Unidos. A baixa de juros proporcionou que famílias com rendas menores se endividassem para comprar imóveis. 

O aumento da taxa de juros pelo Federal Reserve (banco central norte-americano) estourou a bolha, provocando o calote de dívidas e perdas bilionárias para bancos e outras instituições financeiras.

Publicidade

Fotos: foto 1: Thomas Peter-Pool/Getty Images/foto 2: Andrea Verdelli/Getty Images/foto 3: Mikhail Metzel\TASS via Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Famoso canal infantil do YouTube é acusado de enganar crianças com anúncios subliminares