Debate

Âncora de jornal baiano detona homofóbicos ao vivo e com elegância e sem dó

por: Redação Hypeness

Os homofóbicos e outros preconceituosos não têm vez na mão de quem tem bom senso e não se mete na vida alheia. Dessa vez, quem descarregou o verbo foi a âncora Jéssica Senra, ao comentar uma notícia triste relacionada à homofobia (vale lembrar que homofobia é crime!).

Apresentadora do Bahia Meio Dia, a jornalista comentava o caso de um homem de 33 anos que foi atacado após beijar o companheiro em um bar de Camaçari, região metropolitana de Salvador (BA).

— Contra homofobia, Bahia lança manifesto e coloca arco-íris em bandeira de escanteio

A jornalista Jéssica Senra, âncora do Bahia Meio Dia

Marcelo Macedo foi espancado por três homens e atingido por quatro tiros. Um dos suspeitos pelo crime teria dito se a vítima não tinha vergonha de fazer “isso” (dar carinho ao companheiro, como todo casal faz) na frente de pais de família.

Jéssica Senra não poupou palavras ao comentar essa notícia: “‘isso’ era carinho, era beijo. Então quer dizer que beijar e fazer carinho em alguém, na cabeça do homofóbico, ofende, mas agredir, tentar matar, não ofende? A homofobia é isso, é ignorância, falta de qualquer lógica”.

A âncora, que recentemente esteve no rodízio da bancada do Jornal Nacional, apresentando o programa, prosseguiu na sua análise e relacionou o caso com conceitos como machismo e masculinidade.

“Uma das explicações para a homofobia é que ela tem a ver com machismo, com a ideia de superioridade do homem sobre a mulher. Perceba que muitos homossexuais são chamados de mulherzinha, como se isso fosse ofensivo, como se ser mulher fosse uma ofensa. O modelo de homem na nossa sociedade é baseado na masculinidade viril e agressiva”, continuou.

Ela ainda complementou afirmando que todos precisam combater o machismo. “Os homossexuais mais afeminados, inclusive, são mais discriminados do que aqueles que não são. Por isso que a gente sempre diz que o combate ao machismo precisa ser de toda a sociedade porque é uma coisa absolutamente irracional”, finalizou a profissional.

Confira o vídeo em que Jéssica Senra simplesmente detona os homofóbicos (sem contar o texto da publicação, que é outra aula de como combater a homofobia) e também as reações da galera, compartilhadas pela jornalista no Twitter:

View this post on Instagram

O machismo oprime. Oprime mulheres, porque parte da ideia de que os homens são superiores às mulheres e que estas devem se submeter a eles. Oprime homossexuais. Oprime bissexuais. Trans. Porque está pautado, entre outras coisas, na heteronormatividade (a “norma” é ser heterossexual). Oprime os próprios homens, na medida em que exige um modelo de masculinidade viril, agressiva, insensível. A tal masculinidade tóxica. O assunto é profundo. Há dezenas de livros, textos e pesquisas sobre isso. Mas, estando na tv, falando para o grande público, a gente não pode perder a oportunidade de fazer refletir e tentar explicar complexidades de forma que todos entendam. Não tenho a pretensão de explicar todas as nuances da homofobia. Mas, diante de um caso absurdo de um jovem agredido e baleado porque trocava carícias e beijava o companheiro, não pude me furtar de chamar a atenção para a barbaridade desse ato. E explicar, sob UM ponto de vista, por que alguns odeiam homossexuais a ponto de querer agredi-los e matá-los. Bom, na minha cabeça nem existe explicação para que alguém se incomode com a vida afetiva ou sexual do outro a esse ponto. Mas há teóricos que relacionam a homofobia também à misoginia, ao ódio às mulheres. Ao machismo. Por isso é tão importante avançarmos sobre este tema. Quem quiser acrescentar ideias e opiniões construtivas, fique à vontade para comentar! Os homofóbicos, por favor, não se manifestem aqui. Ofensas não serão toleradas. #Respeito #Tolerância #ExercícioDeAmor #CombateÀHomofobia #Feminismo #Jornalismo #BahiaMeioDia #TamoJuntoBMD

A post shared by Jessica Senra (@jessicasenra) on

 

Publicidade

Fotos: reprodução/Instagram/TV Globo


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Legalização da maconha medicinal sem autorização para plantio desanima pacientes