Debate

Chá de absorvente está sendo usado como droga na Indonésia e isso é muito sério

por: Vitor Paiva

Se desde sempre o ser humano procurou as maneiras mais esdrúxulas e inesperadas de alterar a própria consciência, uma nova tendência que se popularizou entre pessoas em situação de rua da Indonésia parece ter superado qualquer limite: adolescentes estão fervendo absorventes íntimos para ingerir os químicos e o gel que se dissolvem na água quente – que, pelo visto, “dá onda” em quem os ingere, tornando-se efetivamente uma droga. Como se não bastasse, os absorventes costumam ser retirados do lixo para preparação do chá, e muitas vezes usados.

Para além da absoluta falta de higiene, a prática coloca em risco a vida de quem ingere o inacreditável “chá de absorvente”. A prática se popularizou de tal forma que parece já superar o antigo habito de se cheirar cola por jovens em situação de rua na Indonésia. O Ministério da Saúde do país ainda está investigando o que, nos absorventes, entorpece os jovens, mas já aponta como uma situação emergencial. Além de incrivelmente nojento, o hábito é efetivamente perigoso para a vida de quem o prática.

Não por acaso, a Indonésia é um dos mais severos e alarmantes países no combate cego às drogas – tratando o uso como um mal quase diabólico e tornando um problema de saúde em uma severa guerra policial, capaz de levar um traficante ao corredor da morte, mas sem políticas públicas que efetivamente possam melhorar o real problema das drogas no país. Da mesma forma, pouco se fala sobre como melhorar a situação social da Indonésia, que possa tirar esses jovens da rua e oferecer alternativas concretas – e não religiosas ou violentas – ao consumo de drogas.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Bonner e Renata são intimados a depor após censura na Globo em caso de Flávio Bolsonaro e Queiroz